Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.388,95
    -335,71 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

China publica primeiras imagens tiradas por seu satélite que monitora o Sol

·2 minuto de leitura

Em julho, a China lançou o satélite Fengyun-3 E com um foguete Long March 4C, a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. Agora, nesta quinta-feira (2), a Administração Meteorológica da China (CMA) revela as primeiras imagens de alta precisão e multibanda do Sol produzidas pelo satélite, que mostram nossa estrela em diferentes níveis e posições e, assim, permitem monitorar e prever a atividade solar.

O satélite Fengyun-3 E conta com 11 instrumentos de sensoriamento remoto, sendo que 10 deles já foram ligados com sucesso até o momento. Assim, o material publicado inclui imagens feitas por diversos instrumentos do satélite, como fotos na luz ultravioleta extrema, animações e raios X de fina intensidade espectral. O gerador de imagens ultravioleta no satélite é o primeiro telescópio solar espacial da China, e é também o primeiro instrumento internacional que gera imagens do Sol em raios X e luz ultravioleta.

Imagem do Sol em raios X feita pelo satélite (Imagem: Reprodução/CMA)
Imagem do Sol em raios X feita pelo satélite (Imagem: Reprodução/CMA)

Já o espectrômetro de irradiação solar é o primeiro instrumento que a China cria para observações do espectro total de energia no espaço, sendo utilizado para monitorar pequenas mudanças na energia que o Sol emite e incide sobre a Terra. Essas observações contribuem para o monitoramento da atividade solar e das tempestades solares, para prever mudanças no campo magnético terrestre e o comportamento de partículas carregadas. Isso permite preparação antecipada por parte das autoridades, que podem proteger e evitar danos à infraestrutura aeroespacial, de comunicações, navegação e redes de energia.

Detalhes do espectro solar obtidos pelo Fengyun-3 E (Imagem: Reprodução/CMA)
Detalhes do espectro solar obtidos pelo Fengyun-3 E (Imagem: Reprodução/CMA)

Segundo as autoridades chinesas, os testes do satélite Fengyun-3 E em órbita começaram oficialmente no dia 23 de julho, e esses procedimentos devem ser finalizados até o final deste ano. Agora, o Fengyun-3 E opera junto dos satélites Fengyun-3 C e D, o que torna a China o único país no mundo capaz de realizar observações durante a manhã, tarde e noite com três satélites meteorológicos em órbita, e proporciona também melhoria na taxa de autonomia de dados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos