Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    42.276,10
    +506,30 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

China promete US$ 3 bilhões a países em desenvolvimento para combater a covid

·1 minuto de leitura
Imagem fornecida pela APEC mostra a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern (2-d) durante a APEC 2021

O presidente chinês Xi Jinping prometeu, nesta sexta-feira (16), 3 bilhões de dólares em ajuda aos países em desenvolvimento para combater a covid-19, durante uma reunião virtual sem precedentes dos líderes do fórum de Cooperação Econômica Ásia Pacífico (APEC).

Esses fundos adicionais, que se juntam a uma promessa semelhante lançada em maio, serão destinados a "apoiar a luta contra a covid-19 e a recuperação econômica e social em outros países em desenvolvimento", disse Xi Jinping segundo a agência de imprensa oficial Xinhua.

Em um discurso por videoconferência, o dirigente chinês acrescentou que seu país forneceu aos países em desenvolvimento mais de 500 milhões de doses de vacinas anticovid.

A cúpula anual da APEC, fórum composto por 21 países e territórios da Ásia e Pacífico incluindo México, Peru e Chile, está prevista para o final do ano na Nova Zelândia.

No entanto, a primeira-ministra neozelandesa Jacinda Ardern estimou que o contexto extraordinário da pandemia exige convocar uma reunião virtual de emergência, organizada em menos de cinco dias, na qual participaram os presidentes americano Joe Biden e russo Vladimir Putin.

Diante das críticas recebidas pela gestão no início da pandemia na cidade de Wuhan e a pressão de uma investigação internacional sobre a origem do vírus, a China tenta se apresentar como salvadora dos países que lutam para controlar os contágios.

O gigante asiático prometeu bilhões de dólares de ajuda, equipamento médico e vacinas para países de todo o mundo nesses últimos meses, enquanto controla a epidemia em seu próprio território.

tjx/jfx/slb/cac/dbh/mar/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos