Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.496,08
    +312,43 (+1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

China promete crescimento constante de energia limpa à medida que a Europa retorna ao carvão

Área empresarial central de Pequim

(Reuters) - A transição para energia limpa na China continuará apesar dos desafios à segurança energética global representados pelo conflito na Ucrânia e um retorno ao carvão na Europa, e o país continua no caminho certo para cumprir suas metas de emissão de carbono, disseram autoridades do setor de energia nesta quarta-feira.

A China, maior consumidor de energia e emissor de gases do efeito estufa do mundo, está pronta para expandir a fatia de energia de combustíveis não-fósseis no consumo geral por uma média de 1% ao ano até 2030, disse Zhang Jianhua, diretor da Administração Nacional de Energia, em entrevista coletiva em Pequim.

"Sob as condições apertadas de fornecimento de energia no ano passado e o retorno à energia de carvão em muitos países europeus, o desenvolvimento de energia de combustível não-fóssil em nosso país continuou inabalável", disse Zhang.

Combustíveis não-fósseis, incluindo energia eólica, solar, nuclear e hidrelétrica, forneceram 16,6% das necessidades totais de energia da China no ano passado, acima dos 15,9% do ano anterior.

À medida que a guerra na Ucrânia abala os mercados globais de energia, levando os preços do gás natural e do carvão térmico a máximas recordes, a China enfatiza repetidamente a importância da segurança energética, levantando preocupações de que poderia retroceder nas metas climáticas.

A China pretende começar a cortar o uso de carvão a partir de 2026, com o presidente Xi Jinping dizendo em março que o país não pode simplesmente “travar os freios” no consumo.

(Reportagem de Chen Aizhu e David Stanway)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos