Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,92
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.873,80
    -5,80 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    38.861,36
    +3.342,17 (+9,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    974,49
    +32,67 (+3,47%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.109,35
    +160,62 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    14.013,00
    +18,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

China prepara primeira missão de carga para sua estação espacial

·2 minuto de leitura
China prepara primeira missão de carga para sua estação espacial
China prepara primeira missão de carga para sua estação espacial

A China se prepara para lançar um foguete Longa Marcha 7 com a primeira espaçonave de carga rumo à sua estação espacial, ainda em construção. O lançamento estava originalmente planejado para as 14h desta quarta-feira (19), mas foi adiado por motivos não informados.

Chamada Tianzhou-2, a espaçonave não tripulada deve se atracar ao núcleo da estação (Tianhe-1) e transferir a ele combustível e suprimentos. O voo é parte dos preparativos para a missão tripulada Shenzou-12, que deve acontecer em junho e levar três astronautas para uma estadia de três meses a bordo da estação.

Além do Tianhe-1, a estação receberá outros dois módulos que quando conectados lhe darão a forma de um T: são eles o Wentian (busca pelos céus) e Mengtian (sonhando com os céus).

Wentian e Tianhe tem braços robóticos para manipulação de componentes externos, e Mengtian tem uma câmara de descompressão para acesso ao exterior da estação.

Ilustração da Tiangong, destacando cada um dos módulos que a compõem. Imagem: Saggitarius A / Wikimedia Commons (CC-BY-SA 4.0)
Ilustração da Tiangong, destacando cada um dos módulos que a compõem. Imagem: Saggitarius A / Wikimedia Commons (CC-BY-SA 4.0)

A Tiangong será bem menor que a Estação Espacial Internacional (ISS), com um quarto de sua massa. “Não temos a intenção de competir com a ISS em termos de escala”, disse Gu Yidong, cientista-chefe do programa espacial chinês. O objetivo da estrutura do gigante asiático é suprir as necessidades científicas do país.

Serão necessárias 11 missões para concluir a construção da estrutura até 2022, incluindo quatro missões tripuladas, quatro missões de carga e o lançamento de três módulos. Quando completada a estação, batizada de Tiangong, terá vida útil de 10 anos, que poderá ser estendida a até 15 anos com upgrades futuros.

No inicio de maio a China foi duramente criticada pela forma com que lidou com a reentrada do primeiro estágio do foguete Longa Marcha 5B que levou Tianhe-1 ao espaço. O objeto fez uma “reentrada descontrolada”, e por muito tempo não se sabia onde iria cair, havendo risco de que ele atingisse regiões povoas no hemisfério norte e até mesmo o Brasil.

Leia mais:

A China minimizou os riscos. Em declaração ao Global Times, veículo vinculado ao Partido Comunista chinês, o especialista aeroespacial Song Zhongping afirmou que a preocupação “é mais uma campanha da chamada ‘ameaça espacial da China’ adotada por forças ocidentais”.

Segundo a Agência Espacial Chinesa (CNSA, China National Space Agency) os destroços atingiram o oceano índico, próximo às ilhas Maldivas, às 23h24 do dia 8 de maio. Não há relato de que partes do foguete tenham chegado ao solo ou causado danos à população da região.

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!