Mercado abrirá em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    +0,42 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.845,20
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    31.010,07
    -693,99 (-2,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    622,26
    -17,66 (-2,76%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.646,68
    -7,33 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.551,25
    +65,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5096
    -0,0012 (-0,02%)
     

China precisa de mais ganhos no mercado acionário para ampliar força, diz mídia estatal

·1 minuto de leitura

XANGAI (Reuters) - Em um mundo remodelado pelo coronavírus, a China precisa de mais ganhos no mercado acionário para financiar uma economia digital em rápido desenvolvimento e fortalecer sua posição nas crescentes rivalidades de poderes, afirmou a mídia estatal nesta segunda-feira.

A economia da China está se recuperando, enquanto seus mercados de capital passam por uma reforma e atraem dinheiro doméstico e externo, abrindo espaço para um mercado altista saudável, disse em editorial nesta segunda-feira o China Securities Journal, veículo oficial.

O comentário do jornal, que é afiliado à agência de notícias estatal Xinhua, indica suporte do governo para uma alta no mercado acionário após recente recuperação forte. O índice de blue-chips da China saltou 5,7% nesta sessão após ganho de 7% na semana passada.

Um mercado de capital vibrante pode ajudar a economia chinesa a "gerar novas oportunidades na crise, e trilhar novos caminhos em um mundo em mudança", disse o editorial.

A China vem acelerando as reformas do mercado de capital em meio a tensões relacionadas à tecnologia com os Estados Unidos, enquanto as relações pioraram devido ao coronavírus.

Com a cadeia de oferta global sendo reformulada e as rivalidades de poder se intensificando, a China será auxiliada por um mercado financeiro maduro, completou o editorial.

(Reportagem de Samuel Shen e Andrew Galbraith)