Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.626,72
    +882,20 (+2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

China pode importar 50% menos carne suína e esfriar custo global

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A demanda recorde da China por carne suína de outros países pode despencar diante da forte queda dos preços domésticos, o que potencialmente diminuiria a pressão no mercado mundial de carne e esfriaria pelo menos um componente dos custos globais dos alimentos.

O maior importador de carne suína do planeta poderia reduzir as compras no exterior em mais de 50% no período de julho a dezembro em relação ao primeiro semestre, porque os suprimentos no país agora estão mais baratos do que os internacionais, disse Jim Huang, que comanda a China-America Commodity Data Analytics, uma consultoria independente com foco em agricultura.

Os contratos futuros globais de referência de carne suína acumulam alta superior a 25% em Chicago este ano devido à forte demanda e aos custos mais altos das rações. Em contraste, os preços da carne de porco na China caíram mais de 50% devido ao aumento da oferta, com a reposição dos plantéis após o impacto da peste suína africana. A carne suína dos EUA agora é mais cara do que a chinesa descontando tarifas e frete, disse Huang. Isso também significa que o governo pode repor as reservas estatais com menor custo no mercado local.

A queda da demanda chinesa por carne suína estrangeira pode ser uma boa notícia para consumidores no mundo todo. Os maiores preços da carne, grãos e óleos comestíveis contribuíram para elevar os custos globais dos alimentos este ano para o nível mais alto desde 2011, o que trouxe temores de inflação em meio à batalha mundial contra a pandemia.

Como exemplo do aumento da oferta local, a produção de carne suína na China deu um salto 36% no primeiro semestre em relação ao ano anterior, para cerca de 27 milhões de toneladas, enquanto o número de suínos subiu quase 30%, para 439 milhões no final de junho na comparação com os 12 meses anteriores, segundo dados do departamento de estatísticas na quinta-feira.

Durante todo o ano de 2020, a China importou um recorde de 4,4 milhões de toneladas de carne suína, mais que o dobro no ano anterior, enquanto nos primeiros cinco meses deste ano as compras no exterior subiram cerca de 14%, para quase 2 milhões de toneladas, segundo dados oficiais da alfândega. Espanha, Brasil e Estados Unidos foram os principais fornecedores.

Compras locais

O governo não precisa mais importar carne suína para as reservas estatais após a queda dos preços locais, disse Lin Guofa, analista sênior da consultoria Bric Agriculture Group. A China agora está comprando no mercado interno, tendo adquirido 13 mil toneladas esta semana e 17 mil toneladas na semana anterior.

Até o início do ano, o governo estava vendendo carne suína dos estoques para esfriar o mercado, pois a peste suína africana havia reduzido o número de suínos quase pela metade, o que impulsionou os preços. O governo de Pequim liberou 670 mil toneladas das reservas estaduais em 2020, o equivalente a cerca de 15% da quantidade de carne suína importada naquele ano.

Embora a demanda do país por carne suína estrangeira deva cair no segundo semestre, a história é diferente no caso de bovinos. As compras internacionais de carne bovina provavelmente não sofrerão nenhuma alteração em comparação com os primeiros seis meses do ano, devido à escassez doméstica e aos preços elevados, de acordo com Lin, da Bric.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos