Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.912,40
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    11.936,91
    +879,90 (+7,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.683,00
    +22,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    +0,0275 (+0,42%)
     

China pode habilitar mais frigoríficos do Brasil e Argentina ainda em 2020, diz Marfrig

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - Após ter paralisado temporariamente processos de habilitação de frigoríficos devido à Covid-19, a China pode retomar avais de exportação de carnes para novas unidades da América do Sul ainda neste ano, disse nesta terça-feira o presidente da operação sul-americana da Marfrig, Miguel Gularte.

"Se espera para o segundo semestre de 2020 novas habilitações para o Brasil e para a Argentina", afirmou o executivo durante evento promovido pela XP Investimentos.

Mas Gularte não deu maiores detalhes sobre a retomada.

A última rodada de habilitações chinesas para novos frigoríficos do Brasil ocorreu no segundo semestre de 2019.

Desde então representantes do setor esperam mais aprovações, mas a pandemia restringiu o acesso a unidades industriais para visitas técnicas. Inspeções em vídeo chegaram a ser realizadas mas habilitações ainda não deslancharam.

O executivo da Marfrig, maior produtora de hambúrgueres do mundo, ressaltou a relevância da China como maior importadora de carnes do Brasil e o avanço significativo dos embarques nos últimos anos, sobretudo em 2020, refletindo entre outros fatores o maior número de plantas habilitadas para exportar.

"Existe a questão da peste suína africana que afetou o rebanho chinês e impulsionou a demanda por compras externas...o crescimento da população urbana na China", citou, mencionando outras causas que mantêm a importação do país asiático aquecida.

Ele ainda disse que, com o recuo no consumo doméstico de carnes durante a pandemia, houve um excedente de oferta que contribuiu para permitir o forte avanço nas exportações, também puxado por um dólar favorável.

(Por Nayara Figueiredo)