Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.781,83
    -7.007,30 (-11,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

China pode abolir o dinheiro em breve

Vista da cidade de Shenzhen (Pixabay)
Vista da cidade de Shenzhen (Pixabay)

Quando ouvimos falar da China sempre pensamos em alguma novidade futurística. E mais uma vez, eles não nos decepcionaram e implantaram algo que pode mudar os rumos do mundo: aboliram o dinheiro.

Claro que isso ainda não está sendo usado em todo o país, mas em breve poderá e a graças a tecnologia. Imagine que você queira comprar um sorvete, porém não tem um mísero centavo no bolso. Sem problemas, afinal é só apontar a câmera do seu celular para QR Code da loja e o pagamento está feito. Simples assim.

QR Code (Pixabay)
QR Code (Pixabay)

O vendedor de melancias, o moço do restaurante, a florista, as bicicletas de aluguel e até os garçons podem receber dessa forma. Na cidade de Shenzhen, polo de tecnologia, localizado no sul do país, essa realidade já faz parte da rotina.

E apesar de terem sido os criadores do papel-moeda há 15 séculos, os chineses não demonstram muito apego as antigas invenções, tanto que as compras sem dinheiro representam 60% do total de transações financeiras realizadas no país. No Reino Unido, o índice também é alto e chega a 55%, entretanto o que impressiona no caso dos asiáticos é que eles estão trocando as cédulas por dinheiro digital sem passar pelos cartões de crédito e débito.

A mudança é diretamente impulsionada pela alta de 31% no PIB per capita, para US$ 6.500, o equivalente a US$ 21.570, e do aumento do uso de internet pela população. Somado a isso, vale citar que os smartphones de fabricantes locais custam pouco mais de R$ 500, o que movimenta o mercado de pagamentos feitos com os aparelhos que alcançaram a incrível marca de US$ 5,5 trilhões em 2016.

De acordo com estudiosos do setor, os jovens chineses não tiveram computador, mas tem acesso a um celular. Nunca possuíram cartões e aceitaram como o modelo mais conveniente o pagamento digital, ou seja, mergulharam de cabeça quando tiveram acesso à tecnologia.

Os cartões nunca foram populares no país afinal, os entraves da legislação vigente desanimam qualquer um a tentar ter um cartão plástico e fortalecem a ideia de que o dinheiro já não é essencial – pelo menos não sua versão impressa.