Mercado fechará em 26 mins
  • BOVESPA

    117.233,26
    +1.003,14 (+0,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.699,52
    -347,06 (-0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,70
    +1,18 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.726,50
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    20.216,29
    +107,19 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,49
    +0,08 (+0,02%)
     
  • S&P500

    3.797,88
    +6,95 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    30.397,91
    +81,59 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.688,50
    +47,75 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1173
    -0,0506 (-0,98%)
     

China planeja sanções aos CEOs da Boeing Defense e Raytheon por vendas de armas à Taiwan

PEQUIM (Reuters) - A China irá impor sanções aos presidentes-executivos da Boeing Defense e da Raytheon por seu envolvimento nas últimas vendas de armas dos Estados Unidos à Taiwan, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores nesta sexta-feira.

As sanções contra o presidente-executivo da Boeing Defense, Ted Colbert, e o chefe da Raytheon Technologies, Gregory Hayes, são uma resposta à aprovação do Departamento de Estado norte-americano em 2 de setembro da venda de equipamentos militares para Taiwan.

Essas vendas incluem 60 mísseis antinavios e 100 mísseis ar-ar, os quais os principais fornecedores, respectivamente, são Boeing Defense, uma divisão da Boeing, e a Raytheon.

Colbert e Hayes serão sancionados "para proteger a soberania e os interesses de segurança da China", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Mao Ning, citando o envolvimento deles "nessas vendas de armas".

Mao não detalhou o que as sanções implicariam ou como elas seriam aplicadas. Nenhuma das empresas vende produtos de defesa para a China, mas ambas têm negócios robustos de aviação comercial no país.

A China já havia sancionado a Raytheon, a Boeing Defense e indivíduos não especificados envolvidos na venda de armas para Taiwan.

Um porta-voz da Raytheon não comentou. A Boeing não comentou imediatamente, mas na quinta-feira disse que planeja vender alguns aviões que havia reservado para companhias aéreas chinesas, já que as tensões geopolíticas atrasaram as entregas.

(Por Eduardo Baptista; reportagem adicional de Mike Stone e David Shepardson)