Mercado fechará em 3 h 36 min
  • BOVESPA

    113.425,32
    +142,65 (+0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.505,23
    +399,52 (+0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,35
    +1,37 (+1,85%)
     
  • OURO

    1.752,50
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.289,55
    -33,62 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.076,98
    -24,54 (-2,23%)
     
  • S&P500

    4.448,17
    -7,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.959,26
    +161,26 (+0,46%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.158,50
    -160,25 (-1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2639
    +0,0083 (+0,13%)
     

China planeja regras para que algoritmos da web sejam menos invasivos no país

·2 minuto de leitura

Embora seja uma potência tecnológica, a China é reconhecida mundialmente pelo estrito controle da liberdade de expressão na internet. O país tem imposto diversas medidas regulatórias nos últimos meses e agora pretende ir mais além para estabelecer regulamentação sobre os algoritmos de recomendação aos usuários.

Na minuta de projeto enviado às autoridades, a Cyberspace Administration of China (CAC) elencou 30 medidas para restringir algoritmos que incentivam vícios ou consumismo em excesso, colocam em risco a segurança nacional ou perturbam a ordem pública. Pelas novas regras, usuários devem ser capazes de desligar as recomendações de algoritmos — o que, provavelmente, inviabilizaria o funcionamento de vários serviços.

O governo chinês quer controlar os algoritmos no país (Imagem: Reprodução/Freepik)
O governo chinês quer controlar os algoritmos no país (Imagem: Reprodução/Freepik)

Conforme analisou o site TechCrunch, todos os fabricantes de sistemas similares, que possam influenciar a opinião pública ou mobilizar os cidadãos, precisarão obter aprovação prévia do CAC. As empresas que criam as ferramentas precisarão, ainda, fazer os ajustes necessários nos seus algoritmos para coibir a criação de contas falsas ou a geração de visualizações irreais por bots.

Os interessados em contribuir terão até o dia 26 de setembro para apresentar sugestões. É difícil imaginar que alguma companhia chinesa terá a coragem de se opor aos termos, por isso será necessário acompanhar o movimento de multinacionais, se é que o farão — em razão do controle governamental, serviços populares como o Facebook e o WhatsApp não têm espaço no país.

Escalada no controle estatal

O CAC é considerado o "cão de guarda" do setor tecnológico chinês e responde diretamente ao presidente Xi Jinping. O governo de Pequim estaria preocupado com o aumento do consumismo no país, que supostamente estaria atrelado a empresas de internet e seus incentivos com promoções.

Os alvos seriam gigantes como ByteDance (TikTok), Alibaba Group, Tencent e Didi, que usam dos algoritmos proprietários para entregar conteúdo informativo ou potencializar vendas. As autoridades acusam essas companhias de minar os direitos de privacidade do usuário e fazem marcação cerrada com o tratamento de dados do consumidor chinês.

O TikTok pode ser uma das empresas prejudicadas pelo projeto (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)
O TikTok pode ser uma das empresas prejudicadas pelo projeto (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Essa guinada mais autoritária tem afastado investidores externos do setor tecnológico, o que custou centenas de bilhões de dólares nos últimos meses — só com o anúncio de hoje, as ações da Alibaba e da Tencent caíram.

Vale lembrar que muitas dessas empresas estão no alvo de governos mundiais. Estados Unidos e Índia, por exemplo, encamparam movimentos recentes para tentar expor o funcionamento dos apps, inclusive com acusações de espionagem e coleta indevida de dados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos