Mercado abrirá em 27 mins
  • BOVESPA

    103.713,45
    +1.920,93 (+1,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.198,94
    +315,99 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,82
    +0,45 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.993,90
    -3,80 (-0,19%)
     
  • Bitcoin USD

    28.141,80
    -511,92 (-1,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    614,67
    -4,57 (-0,74%)
     
  • S&P500

    4.050,83
    +23,02 (+0,57%)
     
  • DOW JONES

    32.859,03
    +141,43 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.642,49
    +22,06 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    20.400,11
    +90,98 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.041,48
    +258,55 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.070,75
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5252
    -0,0304 (-0,55%)
     

China planeja medidas para consolidar impulso de crescimento econômico, diz mídia estatal

Bandeira da China em Pequim

PEQUIM (Reuters) - A economia da China está se estabilizando e melhorando, mas ainda enfrenta muitos desafios, disse o primeiro-ministro Li Keqiang, segundo a mídia estatal, em uma reunião de gabinete nesta quarta-feira.

A China tomará medidas para melhorar as expectativas do mercado e consolidar o ímpeto de crescimento econômico, e ainda há espaço para que cortes de impostos e taxas entrem em vigor, disse Li.

A segunda maior economia do mundo cresceu 3% em 2022 em relação ao ano anterior, ficando muito abaixo da meta oficial de cerca de 5,5% e registrando uma de suas piores taxas em quase meio século.

A suspensão das rigorosas medidas contra a Covid-19 por Pequim em dezembro impulsionou uma tentativa de recuperação econômica este ano, mas uma queda no setor imobiliário e a fraca demanda global também significam que uma recuperação do crescimento dependerá fortemente dos consumidores.

Os mercados antecipam amplamente uma remodelação do governo, especialmente da equipe econômica, e metas econômicas para 2023 durante uma sessão anual do Parlamento que começa no início de março.

"Acreditamos que 5% continuará sendo a meta de crescimento deste ano, embora na prática 5% talvez esteja sendo interpretado como um mínimo", disse o JP Morgan em uma nota de pesquisa. A instituição espera que a política monetária "seja contínua e mantenha o status quo, e a política fiscal seja modestamente contracionista este ano".

(Reportagem de Liangping Gao e Ryan Woo)