Mercado abrirá em 58 mins
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,26
    +0,35 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.856,60
    -23,00 (-1,22%)
     
  • BTC-USD

    39.158,27
    +3.244,39 (+9,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    974,14
    +32,32 (+3,43%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.146,95
    +12,89 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.035,75
    +41,50 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2020
    +0,0094 (+0,15%)
     

China pede que Estados da ONU não participem de evento em Xinjiang na próxima semana

·1 minuto de leitura

Por Michelle Nichols

NOVA YORK (Reuters) - A China pediu que Estados-membros da Organização das Nações Unidas não participem de um evento planejado na próxima semana por Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido sobre a repressão de muçulmanos Uyghur e outras minorias em Xinjiang, segundo uma nota vista pela Reuters na sexta-feira.

"É um evento motivado por política", afirmou a missão da China na ONU na nota, datada de quinta-feira. "Pedimos que a sua missão NÃO participe deste evento anti-China".

A China acusou que os organizadores do evento, entre os quais outros países europeus, Austrália e Canadá, usam a "questão dos direitos humanos como uma ferramenta política para interferir nos assuntos internos da China, como Xinjiang, para criar divisão e turbulência e perturbar o desenvolvimento da China".

"São obcecados em provocar confrontos com a China", disse a nota, acrescentando que o "evento provocativo pode levar apenas a mais conflitos".

A missão chinesa na ONU confirmou a nota e a oposição da China ao evento.

Os embaixadores dos Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido estão na agenda para falar no evento virtual da ONU na quarta-feira, ao lado do diretor-executivo da Human Rights Watch, Ken Roth, e a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnés Callamard.

O objetivo do evento é discutir "como o sistema da ONU, os Estados-membros e a sociedade civil podem apoiar e defender os direitos humanos de membros de comunidade turcomena em Xinjiang", segundo o convite.

(Por Michelle Nichols)