Mercado abrirá em 24 mins
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,08
    -0,93 (-1,04%)
     
  • OURO

    1.802,30
    +11,10 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    24.111,60
    +1.042,47 (+4,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    564,02
    +28,79 (+5,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.480,22
    +40,48 (+0,54%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,17 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.249,24
    +73,37 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    13.332,75
    +104,00 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2273
    -0,0393 (-0,75%)
     

China multa gigante do transporte Didi em US$ 1,2 bilhão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A China impôs uma multa de 8 bilhões de iuanes (US$ 1,2 bilhão) à gigante do transporte Didi por alegações de que violou a política de proteção de dados - anunciou o organismo regulador nesta quinta-feira (21).

A investigação de um ano encontrou "evidências conclusivas" de que Didi cometeu violações "de natureza flagrante", disse a Administração do Ciberespaço da China em um comunicado.

Anunciada como a resposta da China ao Uber, Didi é uma empresa de transporte que fornece veículos e táxis por aluguel por meio de aplicativos e smartphones.

A empresa é acusada de armazenar ilegalmente informações de mais de 57 milhões de motoristas, em vez de mantê-las em um formato seguro.

As autoridades também acusaram a empresa de ter analisado dados de passageiros sem seu consentimento, incluindo fotos de seus telefones e dados de reconhecimento facial.

"As operações ilegais da Didi criaram sérios riscos para a segurança de informações importantes sobre a proteção de dados e infraestrutura do país", disse o regulador.

Esta é a multa mais alta imposta a uma empresa de tecnologia chinesa desde que a gigante do comércio eletrônico Alibaba foi multada em US$ 2,75 bilhões em abril de 2021 por práticas anticompetitivas.

"Embora as autoridades reguladoras tenham-lhe ordenado retificações, não houve uma correção completa e extensa", acrescentou o governo.

As supostas violações de dados de Didi ocorreram durante um período de sete anos a partir de 2015.

O regulador também acusou Didi de violações de segurança nacional que não foram detalhadas. Essa multa corresponde a mais de 4% da receita total da empresa no ano passado, que faturou US$ 27,3 bilhões.

A empresa disse que "aceita a decisão" e irá cumpri-la, de acordo com um comunicado publicado nas redes sociais.

- Financiamento na bolsa -

Durante muito tempo, as startups chinesas foram incentivadas a se financiarem nas bolsas dos Estados Unidos.

Em 2014, a gigante do comércio online Alibaba levantou US$ 25 bilhões em Wall Street, na maior oferta pública inicial de todos os tempos.

Em um contexto de crescente confronto com os Estados Unidos, sobretudo no domínio tecnológico, a China agora encoraja suas startups a procurarem financiamento nas bolsas nacionais (Hong Kong, Xangai, Shenzhen, ou mesmo Pequim).

Esta multa do regulador contra a Didi é percebida como um sinal positivo para os gigantes da tecnologia, marcando uma espécie de epílogo à pressão iniciada em 2020.

Após quase dois anos de endurecimento regulatório, a China já havia afirmado seu apoio à economia digital em abril, aumentando as esperanças de uma reconciliação com esse setor.

Vários empresários também foram recebidos pelo governo nas últimas semanas, uma iniciativa que envia uma mensagem tranquilizadora direcionada às poderosas empresas do setor de Internet.

lxc/qan/dan/mas-an/zm/mab/eg/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos