Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,15
    -0,48 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.785,20
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    57.547,74
    +4.181,39 (+7,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.485,05
    +79,75 (+5,67%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.497,75
    +6,75 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4278
    +0,0009 (+0,01%)
     

China multa Alibaba em US$ 2,8 bilhões por práticas monopolísticas

·1 minuto de leitura
O dono do Alibaba, Jack Ma, durante evento na China

As autoridades chinesas multaram o gigante do comércio online Alibaba em 18,2 bilhões de yuans (US$ 2,78 bilhões) por abuso de posição dominante, informou a imprensa oficial neste sábado (10).

A multa é resultado de uma investigação da Administração Estatal de Regulamentação do Mercado que começou em dezembro, informou a agência de notícias oficial chinesa Xinhua.

O Alibaba é acusada de exigir exclusividade dos comerciantes que queiram vender seus produtos na plataforma, impedindo-os de fazê-lo em outras plataformas comerciais rivais.

O valor da multa foi definido como resultado da decisão dos reguladores de infligir uma multa de 4% sobre as vendas de 2019, que totalizaram 455,7 bilhões de yuans (cerca de US$ 69,5 bilhões), de acordo com a Xinhua.

O Alibaba e outras grandes empresas nacionais de tecnologia estão enfrentando a pressão da crescente preocupação com sua influência na China, onde usuários altamente tecnológicos usam essas plataformas para se comunicar, fazer compras, pagar contas, reservar táxis, solicitar empréstimos e realizar uma infinidade de tarefas diárias.

O Alibaba, em particular, está sob escrutínio desde outubro passado, quando seu cofundador Jack Ma criticou os reguladores chineses por estarem vivendo no passado, depois que eles expressaram preocupação crescente com a investida do braço financeiro do Alibaba, Ant Group, em empréstimos, gestão de fortunas e seguros.

dma/mtp/af/am