Mercado abrirá em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,90
    +0,61 (+0,87%)
     
  • OURO

    1.762,70
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    42.736,42
    -3.033,11 (-6,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,63
    -66,75 (-5,88%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.015,86
    -83,28 (-0,35%)
     
  • NIKKEI

    29.928,19
    -571,86 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.061,50
    +52,00 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2897
    +0,0450 (+0,72%)
     

China mira US$ 1 tri em depósitos minerais no Afeganistão

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Quando os EUA invadiram o Afeganistão em 2001, a economia global tinha outra cara. Tesla não era uma empresa, o iPhone não existia e a inteligência artificial era coisa de filme de Steven Spielberg.

Tudo isso hoje está na vanguarda de uma economia impulsionada por avanços em chips de alta tecnologia e baterias de grande capacidade, produzidos com diversos minerais, incluindo elementos químicos conhecidos como terras raras. O Afeganistão tem depósitos estimados em pelo menos US$ 1 trilhão, incluindo o que pode ser a maior reserva mundial de lítio. A questão é se alguém conseguirá extrair esses materiais do solo afegão.

Quatro décadas de guerra — primeiro com a União Soviética, depois entre tribos locais e então com os EUA — impediram o avanço da mineração. Não há expectativa que a situação mude tão cedo. O Talibã já sinaliza intenção de reimpor a teocracia e reverter os direitos das mulheres e outras liberdades básicas, em vez de dirigir o país para um futuro próspero.

Mas também existe uma previsão otimista propagada pelo governo chinês. O cenário seria mais ou menos o seguinte: O Talibã forma um governo “inclusivo” com guerreiros de grupos étnicos rivais, permite um nível mínimo de direitos humanos para mulheres e minorias e combate terroristas que queiram atacar os EUA, China, Índia ou qualquer outro país.

“Com a retirada dos EUA, Pequim pode oferecer o que Cabul mais precisa: imparcialidade política e investimento econômico”, afirmou Zhou Bo, que foi coronel do exército chinês entre 2003 e 2020, em um artigo de opinião publicado no The New York Times no fim de semana. “O Afeganistão, por sua vez, tem o que a China mais valoriza: oportunidades em infraestrutura e construção de indústrias — áreas nas quais as capacidades da China são indiscutivelmente incomparáveis — e acesso a US$ 1 trilhão em depósitos minerais inexplorados.”

Para que esse cenário tenha remota possibilidade de se concretizar, as próximas semanas serão cruciais. Os EUA se apressam para evacuar milhares de americanos e afegãos vulneráveis após a retirada das tropas para encerrar 20 anos de guerra. No entanto, o presidente Joe Biden ainda tem o poder de isolar qualquer novo governo liderado pelo Talibã e de impedir que a maioria das empresas estrangeiras faça negócios no país.

Os EUA têm sanções contra o Talibã como entidade e podem vetar qualquer movimento da China ou Rússia para aliviar as restrições do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) ao grupo militante.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos