Mercado fechará em 5 h 25 min
  • BOVESPA

    107.503,66
    -433,45 (-0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,40
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.841,80
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    36.371,17
    +2.775,58 (+8,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    827,19
    +16,59 (+2,05%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.373,17
    +76,02 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.178,00
    -323,00 (-2,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2146
    -0,0141 (-0,23%)
     

China mira mais desafios em setor imobiliário e crise de energia

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- A crise do setor imobiliário e a escassez de eletricidade na China pesaram sobre o crescimento econômico do país no terceiro trimestre, e há sinais de mais obstáculos à frente com a chegada do inverno e contínuas restrições ao mercado de imóveis.

Most Read from Bloomberg

O PIB da China cresceu 4,9% na comparação anual, informou o Escritório Nacional de Estatísticas na segunda-feira, depois da expansão de 7,9% no trimestre anterior, em grande parte em linha com as projeções de economistas.

O governo de Pequim sinalizou que não tem pressa em estimular a economia, sugerindo que a desaceleração do crescimento pode continuar nos próximos meses. Isso significa que a demanda do país por commodities usadas na construção poderia cair ainda mais.

A desaceleração foi em grande parte resultado de uma tentativa do governo chinês de reduzir os riscos financeiros ao frear o ritmo de empréstimos ao setor imobiliário, que responde por até 25% do PIB levando em conta segmentos relacionados. A crise de dívida da incorporadora China Evergrande contribuiu para agravar a situação do setor, com queda das vendas de terrenos e maior risco de contágio.

Ao mesmo tempo, autoridades aumentaram os controles sobre a dívida de governos locais, que apoiam investimentos em infraestrutura, e a crise de energia que atingiu a economia no mês passado obrigou fábricas a limitar ou interromper a produção.

“O cenário continua vulnerável com a escassez de energia e restrições ao mercado imobiliário”, disse Raymond Yeung, economista-chefe para a Grande China do Australia & New Zealand Banking, que cortou a previsão de crescimento para 2021 de 8,3% para 8%. O presidente da China, Xi Jinping, disse que “leva muito a sério as reformas, mesmo às custas dos números do PIB”.

A expectativa era de desaceleração do crescimento no terceiro trimestre devido à base de comparação mais alta há um ano. No entanto, a gravidade da crise de energia e desaquecimento do setor imobiliário surpreenderam economistas, levando muitos a rebaixarem as projeções para o PIB anual. O presidente do Banco Popular da China, Yi Gang, disse no domingo que a recuperação permanece intacta, embora o ritmo de crescimento seja um pouco mais “moderado”. Ele projeta expansão de cerca de 8% este ano, superando a meta oficial do governo de Pequim, acima de 6%.

Os dados de segunda-feira mostraram que a produção de commodities relacionadas à construção, como aço e cimento, caiu em setembro em relação ao mês anterior. Um amplo indicador de investimentos em ativos fixos, como imóveis e infraestrutura, mostrou queda de 2,5% em setembro em relação ao ano anterior, com o setor imobiliário exercendo o maior peso, de acordo com análise do JPMorgan Chase.

Além da desaceleração do mercado imobiliário, o déficit nacional de carvão provocou queda da produção de eletricidade em setembro na comparação mensal, o que levou usinas em mais de 20 províncias a reduzirem o volume produzido ou fechar completamente.

“O lado do investimento na demanda está muito fraco, e o impacto da crise de energia no lado da oferta também é bastante forte”, disse Helen Qiao, economista-chefe para Grande China do Bank of America, em entrevista à Bloomberg TV. O crescimento do quarto trimestre deve desacelerar para 3% a 4%, disse.

Do lado positivo, as exportações dispararam em setembro, enquanto o crescimento das vendas no varejo melhorou em relação ao mês anterior, já que autoridades afrouxaram as regras introduzidas em agosto para controlar surtos esporádicos de coronavírus. A taxa de desemprego teve leve queda.

Como resultado, “o governo pode não sentir urgência de lançar estímulos e impulsionar o crescimento”, disse Zhang Zhiwei, economista-chefe da Pinpoint Asset Management.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos