Mercado abrirá em 7 h 23 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,69
    -0,07 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.786,40
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    23.884,58
    +482,60 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,50
    +14,63 (+2,69%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.109,58
    +63,81 (+0,32%)
     
  • NIKKEI

    27.988,14
    -261,10 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.211,50
    +28,25 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2117
    +0,0023 (+0,04%)
     

China mantém taxas referenciais de empréstimo LPR e aposta em recuperação econômica

Distrito Central Empresarial de Pequim

XANGAI (Reuters) - A China manteve suas taxas de referência para empréstimos corporativos e domésticos nesta quarta-feira, com as autoridades adotando uma abordagem cautelosa em meio a sinais de recuperação econômica, crescente pressão inflacionária interna e aumentos agressivos dos juros globais.

Na fixação mensal, a taxa de empréstimo primária de um ano (LPR) foi mantida em 3,70%, e a LPR de cinco anos permaneceu em 4,45%, em linha com as expectativas de 22 entrevistados em pesquisa da Reuters realizada esta semana.

A China, juntamente com o Japão, tem sido uma importante exceção em meio a uma corrida global de aperto da política monetária para domar a inflação galopante, com Pequim se concentrando em estimular a economia abalada pela Covid-19.

Entretanto, analistas vêem uma necessidade cada vez menor de flexibilização monetária agressiva após dados econômicos de junho apontarem sinais de recuperação, mesmo com o Produto Interno Bruto da China no segundo trimestre crescendo apenas 0,4% em relação ao ano anterior.

"A economia começou a se recuperar e não há necessidade de baixar a LPR", disse Xing Zhaopeng, estrategista sênior da China na ANZ.

Mas Xing ainda vê a possibilidade de reduções da LPR no quarto trimestre deste ano. Muitos economistas preveem que a economia da China enfrentará mais pressão nos próximos meses devido a uma desaceleração no crescimento global e o impacto no consumo do aumento dos preços ao consumidor

O Banco do Povo da China (PBOC) havia sinalizado recentemente uma política monetária menos expansionista no segundo semestre do ano.

(Reportagem de Winni Zhou e Brenda Goh)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos