China mantém taxas de empréstimo em março pelo 7º mês

Sede do Banco Popular da China, o banco central, em Pequim

XANGAI (Reuters) - A China deixou suas taxas de empréstimo de referência inalteradas pelo sétimo mês consecutivo em março, como esperado, com a economia já se beneficiando das medidas tomadas na semana passada, enquanto se recupera da pandemia.

A necessidade de um afrouxamento monetário mais iminente diminuiu depois que o Banco do Povo da China disse em 17 de março que cortará a quantidade de dinheiro que os bancos devem ter como reservas, disseram analistas do mercado.

Nesta segunda-feira, a taxa de empréstimo primária de um ano (LPR) foi mantida em 3,65%, enquanto a LPR de cinco anos ficou inalterada em 4,30%.

Economistas dizem que, se a China reduzir as taxas de empréstimo à medida que outros países as elevam, o aumento dos diferenciais de rendimento pressionará para baixo o iuan e as saídas de capital de risco.

Uma série de dados nas últimas duas semanas mostrou que a atividade econômica se recuperou nos primeiros dois meses de 2023, à medida que o consumo e o investimento em infraestrutura impulsionaram a recuperação após os distúrbios da pandemia. Isso compensou a demanda global fraca e uma desaceleração persistente no setor imobiliário da China.

Em uma pesquisa da Reuters realizada na semana passada, todos os 22 participantes previram manutenção nas taxas de empréstimo. Essa unanimidade foi rara em pesquisas anteriores.

Xuan Changneng, vice-presidente do banco central chinês, disse no fim de semana que o colapso do Silicon Valley Bank mostrou como as rápidas mudanças na política monetária no exterior estão tendo efeitos colaterais.

Em outro movimento na semana passada para aumentar a demanda, o banco central da China aumentou as injeções de liquidez de médio prazo ao rolar empréstimos vencidos, embora tenha mantido a taxa de juros desses empréstimos. Essa taxa, chamada taxa de empréstimo de médio prazo, serve como um guia para mudanças no LPR.

Alguns economistas ainda veem espaço para a LPR cair este ano para apoiar os empréstimos e aumentar a confiança dos investidores.

(Reportagem de Winni Zhou e Brenda Goh)