Mercado fechará em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    111.946,65
    +3.164,50 (+2,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.256,72
    -824,61 (-1,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,31
    +1,07 (+1,39%)
     
  • OURO

    1.765,70
    +10,40 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    16.407,08
    +124,13 (+0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,38
    -1,34 (-0,35%)
     
  • S&P500

    3.948,65
    -15,29 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    33.750,35
    -99,11 (-0,29%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.521,50
    -94,75 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4754
    -0,0738 (-1,33%)
     

China mantém taxa de empréstimos pelo 3º mês seguido em novembro

Sede do Banco do Povo da China, em Pequim

XANGAI (Reuters) - A China deixou inalteradas suas taxas de empréstimo de referência pelo terceiro mês consecutivo nesta segunda-feira, já que o iuan mais fraco e uma saída de capital persistente continuavam a limitar a capacidade de Pequim de aliviar as condições monetárias para sustentar a economia.

Mas a demanda lenta por crédito e a piora das perspectivas de crescimento levaram alguns operadores e analistas de mercado a preverem uma redução marginal na taxa de referência de hipotecas já no próximo mês.

Como esperado, a taxa primária de empréstimo de um ano (LPR) foi mantida em 3,65%, enquanto a LPR de cinco anos permaneceu em 4,30%.

Pesquisa da Reuters com 22 observadores do mercado realizada na semana passada mostrou que todos os entrevistados esperavam que não houvesse nenhuma mudança na taxa LPR de um ano. Entretanto, cinco participantes esperavam uma redução da LPR de cinco anos.

A decisão sobre a LPR veio depois que o Banco do Povo da China rolou parcialmente na semana passada empréstimos de médio prazo a vencer e manteve a taxa de juros pelo terceiro mês consecutivo, o que sugere que as autoridades permaneciam atentas à possibilidade de enfraquecer mais o iuan ao afrouxar as condições monetárias.

(Reportagem de Winni Zhou e Brenda Goh)