Mercado fechará em 6 h 57 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,58
    +3,43 (+5,03%)
     
  • OURO

    1.796,20
    +8,10 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    56.980,27
    +2.404,37 (+4,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.424,46
    -30,95 (-2,13%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.129,22
    +85,19 (+1,21%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.204,50
    +153,50 (+0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3310
    -0,0175 (-0,28%)
     

China lança satélite que vai observar o impacto da ação humana na natureza

·2 min de leitura

Nesta sexta-feira (5), às 11h19 (horário de Brasília), a China lançou o Satélite de Ciência do Desenvolvimento Sustentável 1 (ou "SDGSAT-1", na sigla em inglês) com um foguete Long March 6. Além de este ser o primeiro satélite científico dedicado a cumprir as 17 metas apresentadas na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, apoiada pelas Nações Unidas, este é também o primeiro satélite de ciências terrestres criado pela Academia Chinesa de Ciências.

O satélite conta com instrumentos para a observação do infravermelho térmico, baixos níveis de luminosidade e imageamento multiespectral, que vão permitir a coleta de dados de alta qualidade. Enquanto isso, satélite poderá também monitorar recursos importantes para o aprimoramento de indicadores, os quais representam as interações entre as atividades humanas e a natureza. Os instrumentos serão capazes de realizar observações coordenadas 24 horas por dia.

Assim, a ideia é que o SDGSAT-1 seja mais um aliado no monitoramento, avaliação e pesquisas científicas para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Global (ODS). “O SDGSAT-1 irá aprimorar a cobertura de indicadores de monitoramento ao fornecer dados mais rapidamente, que vão preencher e reconstruir lacunas em sequências temporais”, explicou o prof. Guo Huadong, professor do Aerospace Information Research Institute (AIR). O satélite entrou com sucesso na órbita pré-determinada e, quando estiver operando, os dados obtidos serão compartilhados com a comunidade internacional.

Esse compartilhamento será feito também com países em desenvolvimento, que precisam de suporte de dados para, assim, poder conduzir pesquisas sobre as Metas de Desenvolvimento Sustentável. Yin Hejun, vice-presidente da Academia Chinesa de Ciências (CAS) e diretor chefe do Projeto Satélite de Ciências Espaciais, destacou como o SDGSAT-1 é uma representação importante da contribuição da China para a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, representando concretamente o papel do país como uma grande nação à comunidade internacional e para assuntos e responsabilidades nacionais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos