Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.956,45
    -2.510,31 (-5,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

China lança mercado de carbono próprio, que pode se tornar o maior do mundo

·1 minuto de leitura
A projeção é que este sistema nacional ofusque o estabelecido em 2005 na União Europeia (UE) e se transforme no primeiro do mundo

A China lançou, nesta segunda-feira (1), seu mercado de carbono, que pode se tornar o maior do mundo, enquanto o país que é o primeiro poluidor mundial, promete alcançar a neutralidade em suas emissões em 2060.

O sistema entrou em vigor nesta segunda, de acordo com a agência de notícias Xinhua.

Pela primeira vez, autoriza as autoridades provinciais a estabelecer cotas para as usinas termelétricas e permite que as empresas de energia negociem direitos de poluição.

O objetivo é reduzir as emissões de poluentes, encarecendo o custo para as empresas que o geram.

A projeção é que este sistema nacional ofusque o estabelecido em 2005 na União Europeia (UE) e se transforme no primeiro do mundo.

Segundo as novas regras, as cerca de 2.000 usinas que emitem mais de 26.000 toneladas de gases de efeito estufa por ano serão afetadas pelo sistema, que a longo prazo deve cobrir um terço das emissões de gases carbônicos da China, segundo a Associação Internacional de Ação sobre o Carbono.

Até o momento, o país continua dependendo em grande medida do carvão, uma das energias mais nocivas ao meio ambiente.

As usinas chinesas funcionam 60% com carvão e os especialistas esperam que este poderoso grupo de pressão defenda taxas confortáveis e, portanto, um preço de carbono vantajoso.

A China emitiu quase 14 bilhões de toneladas de CO2 em 2019, o que representa 29% do total mundial.

prw-rox/tjx/am/fox/abx/clp/jvb/mb/aa/mvv