Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,36
    +0,59 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.865,30
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    29.594,40
    +401,89 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,21
    +4,39 (+0,67%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.683,40
    -64,74 (-0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.798,75
    +27,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1676
    -0,0046 (-0,09%)
     

China lança campanha para preencher lacuna no monitoramento de gases de efeito estufa

·2 min de leitura
Bandeiras da China, em Pequim

Por Muyu Xu e David Stanway

(Reuters) - A China forçará os principais setores e regiões industriais a tomar medidas para medir as emissões de gases de efeito estufa como parte de uma nova iniciativa para melhorar a qualidade e a supervisão dos dados, de acordo com um documento do Ministério do Meio Ambiente revisado pela Reuters.

Sob o programa piloto, alguns dos maiores fornecedores de energia a carvão da China, siderúrgicas e produtores de petróleo e gás devem elaborar novos planos abrangentes de monitoramento de gases de efeito estufa até o fim deste ano.

Isso ocorre enquanto a China, o maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, precisa aumentar sua medição de emissões de carbono de acordo com seu monitoramento de poluentes do ar para cumprir a promessa do presidente Xi Jinping de se tornar neutra em carbono por volta de 2060, dizem especialistas e ambientalistas.

"Em contraste com os poluentes atmosféricos, há uma grande lacuna nos relatórios sobre as emissões de CO2 - não há relatórios regulares que divulguem as emissões totais do país", disse Lauri Myllyvirta, analista-chefe do Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA).

“Expandir o monitoramento e divulgação de emissões atualmente em vigor para poluentes do ar para CO2 seria um grande avanço”.

De acordo com o documento, datado de setembro de 2021 e fornecido à Reuters pelo Ministério da Ecologia e Meio Ambiente (MEE), o novo programa de monitoramento visa fornecer “apoio estatístico” para a luta do país contra as mudanças climáticas.

Cidades como Tangshan e Hangzhou, juntamente com regiões como Mongólia Interior e Yunnan, também receberam ordens para avaliar sua capacidade de atuar como sumidouros de carbono, incluindo taxas de cobertura florestal e mudanças no uso da terra.

O programa piloto, com conclusão prevista para os primeiros três meses de 2023, visa avaliar as melhores práticas de medição de gases de efeito estufa. Ele incluirá os setores de petróleo e gás, aço e energia térmica, bem como processamento de resíduos, e abrangerá gases-chave como metano e dióxido de carbono.

As empresas estatais envolvidas no programa piloto - incluindo a China Petrochemical Corp (Sinopec), a China National Petroleum Corp e a Shandong Energy Corp - não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

(Reportagem de Muyu Xu e David Stanway)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos