Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.235,98
    -58,09 (-0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

China exibe poderio aéreo em feira de aviação

·1 minuto de leitura
Soldados cobrem o modelo de avião de combate chinês J-10 em uma feira de aviação de Zhuhai (sul da China), em 27 de setembro de 2021 (AFP/Noel Celis)

Em um momento de crescente corrida armamentista na região da Ásia Pacífico, a China fez nesta terça-feira (28) uma demonstração de seu poderio aéreo, com sofisticados drones de vigilância e aviões capazes de interferir nos sistemas eletrônicos hostis.

Na principal feira de equipamento aéreo do país, na cidade costeira de Zhuhai (sul), o país apresentou o protótipo de seu novo drone de vigilância CH-6, capaz de transportar mísseis e executar ataques aéreos, segundo a agência de inteligência Janes.

Também exibiu o drone de grande altitude WZ-7, concebido para o reconhecimento de fronteira e patrulha marítima, assim como o avião J-16D, que pode bloquear equipamento eletrônico.

De acordo com a imprensa estatal, os dois aparelhos já são utilizados pelas Forças Armadas da China.

A demonstração acontece em um momento de disputas territoriais do gigante asiático, de Taiwan ao Mar da China Meridional, passando pela fronteira com a Índia no Himalaia, e de uma crescente rivalidade com os Estados Unidos.

As inovações "terão um papel importante no Estreito de Taiwan e no Mar da China Meridional", afirmou o analista militar Song Zhongping à AFP.

O governo chinês adotou como prazo limite o ano de 2035 para concluir a modernização de seu exército, ainda atrasado em comparação com os Estados Unidos em termos de tecnologia e investimento.

Mas os analistas advertem que o país asiático está reduzindo rapidamente a diferença.

Além disso, destaca o analista Kelvin Wong, da agência Janes, a China "está se posicionado claramente para ser um fornecedor alternativo" de drones avançados a preços relativamente acessíveis.

Estados Unidos e os países europeus hesitam no momento de vender este tipo de tecnologia para além de um grupo seleto de aliados, afirma.

bys/apj/rox/dbh/me/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos