Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.868,30
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    29.766,92
    +234,39 (+0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    584,81
    -95,09 (-13,99%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.660,39
    -96,47 (-0,34%)
     
  • NASDAQ

    13.385,00
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0042 (+0,06%)
     

China e EUA devem retirar tarifas com avanço de negociações comerciais

(Arquivo) Contêineres da China e de outros países asiáticos descarregados no porto de Los Angeles, em Long Beach

China e Estados Unidos concordaram com um plano para retirar progressivamente as tarifas aplicadas mutuamente, em função do avanço das negociações comerciais, anunciou o Ministério chinês do Comércio.

"Os líderes negociadores das duas partes concordaram em retirar as tarifas adicionais por etapas, à medida que aconteçam progressos para chegar a um acordo sobre o conflito comercial", afirmou o porta-voz do ministério, Gao Feng.

Ainda sem a confirmação dos Estados Unidos, este é o mais recente avanço para acabar com a guerra comercial entre as duas maiores potências econômicas do planeta, mas os detalhes não foram divulgados.

Gao indicou que as partes alcançaram um primeiro acordo que permitirá a retirada das tarifas mútuas "na mesma proporção e de maneira simultânea".

"É uma condição importante para alcançar um acordo", disse.

O vice-presidente chinês, Liu He, conversou por telefone na sexta-feira passada com o representante americano do Comércio, Robert Lighthizer, e com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, um diálogo considerado "construtivo" pelas duas partes.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pretendia assinar este mês um acordo com a China em uma reunião do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico prevista para o Chile, depois cancelada pelos protestos no país.

Trump, que está procurando outro lugar para a assinatura, garantiu que negociações estão avançando, mas não quis dar mais detalhes até o acordo ser fechado.

Um acordo, mesmo parcial, permitiria dar confiança aos mercados e interromper a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, iniciada em março de 2018, quando Trump decidiu encerrar as práticas comerciais que considera "injustas".

De acordo com os poucos detalhes que o governo dos EUA deu sobre as negociações em andamento, a China se comprometeria a aumentar suas compras de produtos agrícolas americanos e abrir seus mercados nesse setor.

Em troca, os Estados Unidos desistiriam do aumento de 25% a 30% das novas tarifas anunciadas por Trump.

"A velocidade da retirada das tarifas será crucial para obter um sentimento duradouro e material, tanto nos mercados quanto nas duas economias", disse Iris Pang, economista do ING Bank.

Na mesma semana, as Nações Unidas alertaram que a guerra comercial está afetando ambas as economias, com a queda nas exportações e o aumento dos preços.

"Essa guerra comercial sem ganhadores não prejudica apenas os principais concorrentes, mas também compromete a estabilidade da economia global e o crescimento futuro", disse Pamela Coke Hamilton, diretora da divisão internacional de comércio e commodities da Conferência de as Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), citadas em um relatório.