Mercado fechado

China estabelece regras para combater o vício em videogames

Nathan Vieira

O governo chinês lançou novas regras destinadas a conter o vício em videogame entre os jovens, um problema que as autoridades acreditam ser o responsável pelo aumento da miopia e pelo baixo desempenho acadêmico em uma ampla faixa da sociedade. As cartilha, que foi anunciadas pela Administração Nacional de Imprensa e Publicações na última terça-feira (5), proíbe usuários menores de 18 anos de jogar entre 22h e 8h. Eles não têm permissão para jogar mais de 90 minutos nos dias úteis e três horas nos finais de semana e feriados. Essa limitação é a mais recente tentativa do governo de controlar a indústria de jogos online da China, uma das maiores do mundo, que gera mais de US$ 33 bilhões (R$ 132 bilhões, aproximadamente) em receita anual e atrai centenas de milhões de usuários.

Além disso, a Administração Nacional de Imprensa e Publicações disse que os menores seriam obrigados a usar nomes reais e números de identificação quando fizerem login para jogar. As regras também limitam quanto os jovens podem gastar em compras feitas através de aplicativos, como armas virtuais, roupas e animais de estimação. Agora, essas compras são limitadas de US$ 28 (R$ 112) a US$ 57 (R$ 228) por mês, dependendo da idade. As autoridades chinesas disseram que os regulamentos foram feitos para combater o vício. "Esses problemas afetam a saúde física e mental dos menores, bem como o aprendizado e a vida normais", disse a Administração Nacional de Imprensa e Publicações em comunicado publicado pela Xinhua, agência de notícias oficial do país.

Jovens gamers se deparam com novas regras na China

Analistas disseram que os regulamentos foram amplamente antecipados pelo setor e dificilmente prejudicariam a receita. Muitas das maiores empresas de tecnologia, incluindo Tencent e Netease, já impuseram limites aos usuários mais jovens. Também é provável que os jogadores jovens encontrem maneiras de contornar os regulamentos, como usar o telefone e o número de identificação dos pais.

"Sempre haverá brechas", disse Daniel Ahmad, analista sênior da Niko Partners, uma empresa de pesquisa e consultoria, segundo o New York Times. Mas Ahmad acrescentou que a China agora é um dos mercados de videogame mais fortemente regulamentados do mundo e que as empresas de tecnologia no país e no exterior seriam forçadas a seguir mais de perto os anúncios de políticas do governo. "Acho que em comparação com o Ocidente é muito extremo", disse ele. "Editores e desenvolvedores precisam estar muito conscientes do conteúdo dos jogos que estão desenvolvendo para o mercado", acrescentou. As regras foram cumpridas com ceticismo por alguns pais e jogadores.

Em um sinal da crescente importância global do mercado chinês de jogos, a americana Activision Blizzard suspendeu recentemente um jogador de e-sports que havia mostrado apoio a manifestações antigovernamentais em Hong Kong durante uma transmissão ao vivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: