Mercado abrirá em 2 h 38 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,38
    +0,56 (+0,88%)
     
  • OURO

    1.833,90
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    50.346,41
    +455,22 (+0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.395,34
    +7,43 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.006,85
    +43,52 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.242,50
    +142,25 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0152 (+0,24%)
     

China está considerando combinar vacinas contra Covid-19 para melhorar taxa de proteção

·1 minuto de leitura

PEQUIM (Reuters) - A principal autoridade de controle de doenças da China afirmou que o país está considerando misturar vacinas contra Covid-19, uma maneira de reforçar ainda mais a eficácia dos imunizantes.

Dados disponíveis mostram que as vacinas chinesas estão atrás de outras, como da Pfizer e Moderna em termos de eficácia, mas exige controles de temperaturas menos rigorosos durante o armazenamento.

As vacinas disponíveis no momento “não têm uma taxa alta de proteção”, disse Gao Fu, diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças da China, em uma entrevista coletiva em Chengdu neste sábado.

“A inoculação com vacinas de diferentes linhas técnicas está sendo considerada” disse.

Gao afirmou que “otimizar” o processo da vacina, incluindo mudar o número de doses e o tempo entre elas, era “definitivamente” uma solução para os problemas de eficácia.

A China desenvolveu quatro vacinas domésticas aprovadas para uso no público e uma autoridade disse no sábado que o país deve produzir três bilhões de doses até o fim do ano.

A vacina desenvolvida pela Sinovac da China chegou a uma taxa de eficácia ligeiramente acima de 50% em ensaios clínicos brasileiros. Um estudo separado na Turquia mostrou essa taxa em 83,5%.

Nenhum dado detalhado de eficácia foi divulgado sobre as vacinas feitas pelo Sinopharm da China. Ela disse que duas vacinas desenvolvidas por suas unidades são 79,4% e 72,5% eficazes, respectivamente, com base em resultados provisórios.

(Reportagem de Cate Cadell)