Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    22.976,53
    +54,25 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

China eleva produção de carvão e alivia restrições contra importações da Austrália

Térmica a carvão

Por Muyu Xu

CINGAPURA (Reuters) - A crescente necessidade de garantir o fornecimento de energia após a flexibilização das restrições da Covid-19 levou a China a retomar gradualmente as importações australianas de carvão e instar as mineradoras domésticas a aumentar sua produção já recorde.

A suspensão da proibição não oficial das importações australianas de carvão, que foram interrompidas em 2020 em um ataque de ressentimento por parte da China por questões relacionadas às origens da Covid, é o sinal mais claro até agora dos laços renovados entre os países.

A retomada também é um lembrete de sua interdependência econômica, já que as matérias-primas da Austrália desempenham um papel crucial no abastecimento da economia da China, o maior consumidor e produtor mundial de carvão.

A abordagem dupla de Pequim para segurança do carvão ocorre quando os preços dos combustíveis de geração de energia e do carvão metalúrgico aumentaram depois que as sanções ocidentais interromperam o fornecimento russo após a invasão da Ucrânia.

As concessionárias de energia e siderúrgicas chinesas agora terão acesso a carvão australiano de melhor qualidade, enquanto a Austrália, que costumava ser o segundo maior fornecedor de carvão da China, pode recuperar parte de sua participação no mercado perdida para fornecedores como Rússia e Mongólia.

"Esse desenvolvimento pode ter surgido do degelo das relações entre a China e a Austrália devido ao novo governo em Canberra", disse Pat Markey, diretor-gerente da consultoria Sierra Vista Resources.

"Muitos mineradores gostariam de ter a oportunidade de renovar suas relações comerciais na China, tanto para o carvão metalúrgico quanto para o carvão térmico."

O planejador estatal da China permitiu nesta semana que três concessionárias apoiadas pelo governo central e sua principal siderúrgica retomassem as importações de carvão da Austrália.

Entre eles, a China Energy Investment Corp fez um pedido para importar carvão australiano, que pode ser carregado ainda este mês.

Agentes do mercado esperam que mais empresas recebam permissão para comprar carvão australiano nos próximos meses.

O aumento dos preços em meio às sanções russas e um salto esperado na demanda chinesa por carvão --2% a mais em 2023 do que no ano passado, segundo analistas da Wood Mackenzie-- após o fim das restrições da Covid-19 renovou as preocupações com a segurança energética.

Pequim quer evitar a repetição de apagões em todo o país devido à escassez de carvão no final de 2021. A China, maior produtora e consumidora de carvão do mundo, depende do carvão para gerar quase 60% de sua eletricidade.

Espera-se que o país produza um recorde de 4,45 bilhões de toneladas de carvão em 2022, disse a Administração Nacional de Energia durante uma reunião em 30 de dezembro, de acordo com a televisão estatal.

(Por Muyu Xu)