Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,46
    +0,32 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.886,20
    +1,40 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.255,27
    +443,86 (+1,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,57
    +10,62 (+2,02%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.555,59
    -129,88 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    12.742,75
    -34,00 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5766
    -0,0005 (-0,01%)
     

China eleva cotas de exportação de combustível na 1ª parcela de 2023, dizem consultorias

Campo de petróleo

Por Muyu Xu e Trixie Sher Li Yap

CINGAPURA (Reuters) - A China aumentou as cotas de exportação de derivados de petróleo refinado no primeiro lote do ano em quase metade em relação ao ano anterior, disseram consultorias chinesas nesta terça-feira, em outro esforço para estimular a produção de refinarias e capturar margens de exportação saudáveis em meio à lenta demanda doméstica.

O governo chinês liberou 18,99 milhões de toneladas de cotas para cobrir principalmente as exportações de gasolina, diesel e querosene de aviação, um aumento de 46% em relação às 13 milhões de toneladas alocadas no ano anterior, segundo as consultorias JLC e Longzhong, que nos últimos anos acompanharam de perto e corretamente a política de cotas de combustível de Pequim.

Do total, a estatal China Petrochemical Corp (Sinopec), a China National Petroleum Corp, a China National Offshore Oil Company e o Sinochem Group, bem como a privada Zhejiang Petrochemical Corp, receberam um total de 18,73 milhões de toneladas de licenças, disseram as agências.

Uma refinaria subsidiária do conglomerado de defesa estatal Norinco e da China National Aviation Fuel Company recebeu o restante.

O Ministério do Comércio não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Os maiores volumes de cotas seguiram-se a uma emissão considerável de 13,25 milhões de toneladas em setembro, quando o governo se apressou para sustentar sua economia vacilante, incentivando as refinarias a intensificar as operações e se beneficiar dos lucros robustos das exportações.

As cotas maiores também refletiram o fraco consumo doméstico de combustível, já que um aumento nas infecções por Covid após o relaxamento das medidas de controle do vírus prejudicou as viagens e a atividade econômica, disse um trader.

"Vai demorar um pouco até que o consumo volte, dada a situação atual da Covid", disse o trader.

Separadamente, a China também liberou 8 milhões de toneladas de cotas de exportação de óleo combustível com baixo teor de enxofre no primeiro lote para 2023, em comparação com 6,5 milhões de toneladas no ano anterior, informaram as consultorias.

Sob uma meta de longo prazo para reduzir as emissões de carbono, as autoridades pretendem controlar o processamento excessivo de refinarias e, portanto, as exportações de combustível, mas uma drástica desaceleração econômica em 2022 forçou o governo a mudar sua política comercial de combustível para aumentar as exportações.

As exportações de gasolina e diesel, em particular, se recuperaram nos últimos meses, à medida que as refinarias correram para esgotar as cotas de exportação e diminuíram os estoques domésticos, enquanto as margens de exportação permaneceram atraentes.

(Por Chen Aizhu, Muyu Xu e Trixie Yap)