Mercado abrirá em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,05
    +0,28 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.852,90
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    32.376,62
    -882,92 (-2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    652,17
    +4,85 (+0,75%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.670,84
    +31,99 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.440,25
    -35,25 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

China e Rússia reagem às acusações de Trump sobre ciberataques

·2 minuto de leitura
EUA sofre devastador cibertaque a várias de suas agências governamentais

A China chamou nesta segunda-feira (21) de "piada" as acusações do presidente Donald Trump, que afirmou que o gigantesco ciberataque cometido contra os Estados Unidos pode ser obra da China, enquanto seu próprio governo responsabiliza a Rússia.

O presidente dos EUA minimizou a invasão, da qual várias empresas e agências de seu país foram alvo no sábado, ironizando as acusações contra Moscou. E, em um tuíte, Trump afirmou que "pode ser a China" o país por trás do ataque cibernético.

Em resposta, o porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin, não negou formalmente a hipótese de um envolvimento de Pequim, mas disse que as acusações do presidente Trump não eram "sérias" e que eram "contraditórias".

"As acusações americanas contra a China sempre tiveram tons de piada e segundas intenções", disse Wang à imprensa.

"Em matéria de cibersegurança, o comportamento dos Estados Unidos não é bom e, se há um país mal posicionado para criticar os outros, são os Estados Unidos", acrescentou.

De acordo com o grupo americano de segurança cibernética FireEye, que também foi alvo de ataques cibernéticos na semana passada, desde a primavera de 2020 vários governos e empresas nos setores de consultoria, tecnologia e energia foram atacados na América do Norte, Europa, Ásia e Oriente Médio.

Os "hackers" conseguiram invadir os sistemas informáticos dessas entidades, aproveitando-se da atualização de um programa de vigilância desenvolvido pela empresa SolarWinds e usado por dezenas de milhares de empresas e administrações de todo mundo.

- Rússia rejeita acusação

O Kremlin negou hoje estar por trás da onda de sofisticados ataques cibernéticos cometidos contra serviços federais e empresas nos Estados Unidos, denunciando que as acusações contra a Rússia são "infundadas" e um sinal de "russofobia".

Esses ciberataques "não têm nada a ver conosco, já que a Rússia não está envolvida" neles, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, à imprensa.

"Todas as acusações de um envolvimento por parte da Rússia são absolutamente infundadas e se enquadram em uma linha da russofobia cega, que constatamos a cada incidente", acrescentou.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, apontou para Moscou, mas o presidente dos EUA, Donald Trump, minimizou o papel da Rússia no assunto.

Nos Estados Unidos, o Conselho de Segurança Nacional, e dos Departamentos do Tesouro e do Comércio, assim como diversos órgãos federais, foram afetados, segundo informações publicadas pela imprensa local.

Vários meios de comunicação americanos relacionaram estes ataques a um grupo de "hackers" russos vinculados aos serviços de Inteligência militar de Moscou.

Nos últimos anos, a Rússia foi várias vezes acusada de realizar ataques cibernéticos em todo mundo, algo que Moscou sempre negou.

bys/apj/bar/pcm/jvb/zm/tt