Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.867,60
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    29.844,52
    +311,98 (+1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    586,46
    -93,44 (-13,74%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.635,12
    -121,74 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    13.386,25
    -9,25 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0042 (+0,06%)
     

China diz que se esforçará para chegar à "fase um" de acordo comercial com EUA

Por Stella Qiu e Ryan Woo

Por Stella Qiu e Ryan Woo

PEQUIM (Reuters) - A China se esforçará para chegar a um acordo comercial inicial com os Estados Unidos enquanto os dois lados mantêm os canais de comunicação abertos, disse o Ministério do Comércio chinês nesta quinta-feira, na tentativa de acalmar os temores de que as negociações possam estar desandando.

A China está disposta a trabalhar com os Estados Unidos para resolver as principais preocupações de cada parte com base na igualdade e no respeito mútuo, e tentará arduamente chegar à "fase um" de um acordo, disse Gao Feng, porta-voz do ministério, a repórteres.

"Isso está de acordo com os interesses tanto da China quanto dos Estados Unidos e do mundo", disse Gao.

Economistas alertam que a prolongada disputa comercial entre China e Estados Unidos está aumentando os riscos para a economia global ao interromper as cadeias de oferta, desencorajar o investimento e afetar a confiança dos negócios.

A conclusão da fase um de um acordo pode ser adiada para o próximo ano, disseram especialistas em comércio e pessoas próximas à Casa Branca à Reuters anteriormente, conforme Pequim pressiona por uma reversão tarifária mais extensa e o governo dos EUA responde com suas próprias demandas elevadas.

A China convidou os principais negociadores comerciais dos EUA para uma nova rodada de negociações presenciais em Pequim, informou o Wall Street Journal nesta quinta-feira, citando fontes não identificadas, acrescentando que Pequim espera que a rodada de conversas possa ocorrer antes do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos na próxima quinta-feira.

As autoridades norte-americanas indicaram que estariam dispostas a se encontrar pessoalmente, mas não se comprometeram com uma data, disse a notícia, e estariam relutantes em viajar para as negociações a menos que a China deixe claro que assumirá compromissos em relação à proteção à propriedade intelectual, transferências forçadas de tecnologia e compras agrícolas.

Gao, quando questionado sobre os pontos difíceis e se eles estavam relacionados à demanda de Washington de que a China compre mais produtos agrícolas dos EUA e às reversões tarifárias, disse que não tinha mais informações a divulgar além do fato de que ambas as partes continuarão se comunicando, e de que "rumores externos não são precisos."