Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.426,00
    -522,45 (-0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.831,95
    -213,15 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.861,20
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    54.743,76
    +576,16 (+1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,14
    -65,80 (-4,48%)
     
  • S&P500

    4.704,54
    +15,87 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.870,95
    -60,10 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.255,96
    -35,24 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    25.319,72
    -330,36 (-1,29%)
     
  • NIKKEI

    29.683,09
    +84,43 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    16.494,75
    +13,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3313
    +0,0125 (+0,20%)
     

China diz a fundador da Evergrande para pagar dívida com fortuna

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Autoridades chinesas disseram ao bilionário Hui Ka Yan para usar seu patrimônio pessoal como forma de aliviar a crise de dívida da incorporadora China Evergrande, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

Most Read from Bloomberg

A diretriz do governo de Pequim ao fundador da Evergrande foi comunicada depois que a empresa não cumpriu o prazo inicial de 23 de setembro para o pagamento do cupom de um título em dólar, disseram as pessoas, que falaram sob anonimato. Governos locais na China têm monitorado as contas bancárias da Evergrande para garantir que o caixa da empresa seja usado para concluir projetos de habitação inacabados, e não desviado para pagar credores, disseram as fontes.

A exigência de que Hui use o próprio dinheiro para pagar a dívida da Evergrande reforça os sinais de que o governo chinês está relutante em orquestrar um resgate, mesmo com a crise da gigante do setor se espalhando para outras incorporadoras, o que mina a confiança no mercado imobiliário. O presidente chinês, Xi Jinping, aumentou o escrutínio de bilionários do setor como parte de sua campanha de “prosperidade comum” para reduzir a enorme desigualdade de riqueza do país.

Não está claro se a fortuna de Hui é grande e líquida o suficiente para uma redução considerável do passivo da Evergrande, que somava mais de US$ 300 bilhões em junho. Os títulos em dólar da incorporadora são negociados com grandes descontos em relação ao valor nominal em meio à expectativa de investidores do que poderia ser uma das maiores reestruturações de dívida na história da China.

O patrimônio líquido de Hui diminuiu para cerca de US$ 7,8 bilhões em relação ao pico de US$ 42 bilhões em 2017, de acordo com estimativas do Índice de Bilionários da Bloomberg. Mas o número reflete uma incerteza considerável.

Grande parte do patrimônio conhecido de Hui deriva de sua participação no controle da Evergrande e dos dividendos em dinheiro que recebeu da empresa desde a listagem em 2009 em Hong Kong. Hui embolsou cerca de US$ 8 bilhões na última década graças aos generosos pagamentos da Evergrande, de acordo com cálculos da Bloomberg. Não se sabe como Hui reinvestiu esses dividendos.

Hui não respondeu de imediato a um pedido de comentário enviado por meio da Evergrande. O Banco Popular da China não respondeu a um pedido de comentário.

Na semana passada, a Evergrande surpreendeu o mercado ao evitar um default com o pagamento de um cupom de US$ 83,5 milhões a credores internacionais antes do fim do período de carência em 23 de outubro. Não está claro de onde vieram os fundos.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos