Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.540,63
    +1.859,65 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

China diz esperar que EUA removam restrições "irracionais" sobre cooperação

Gabriel Crossley
·1 minuto de leitura

Por Gabriel Crossley

PEQUIM (Reuters) - A China pediu aos Estados Unidos neste domingo que removam as restrições "irracionais" à cooperação o mais breve possível e que trabalhem juntos em questões como mudança climática, ao mesmo tempo em que acusou os EUA de provocarem o caos no nome da disseminação da democracia.

Na semana passada, o presidente dos EUA, Joe Biden, destacou uma "crescente rivalidade com a China" como importante desafio diante dos EUA, com seu principal diplomata descrevendo o país asiático como "maior teste geopolítico" deste século.

Falando em sua entrevista anual à imprensa, o principal diplomata chinês, o conselheiro estatal Wang Yi, adotou uma postura dura mesmo ao destacar onde as duas maiores economias do mundo poderia trabalhar juntas.

Questionado sobre recentes atritos entre EUA e China sobre Taiwan, Xinjiang e o Mar do Sul da China, Wang disse que Pequim "nunca aceitará acusações sem fundamento e difamação".