Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.574,03
    +275,18 (+2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,20
    +1,56 (+0,59%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

China diz esperar produção maior de milho após preço subir por temor de escassez

·1 minuto de leitura

PEQUIM (Reuters) - O Ministério da Agricultura da China disse nesta quinta-feira que a área de plantio de milho do país permaneceu "basicamente estável" neste ano e que a produção anual deve aumentar mesmo depois de o cinturão do milho no nordeste chinês ter sido atingido por três tufões nas últimas semanas.

As declarações do ministério, atribuídas a uma autoridade cujo nome não foi revelado, ocorrem depois de os contratos futuros do milho no país tocarem uma máxima recorde de 2.595 iuanes (385,75 dólares) por tonelada na quarta-feira, com investidores apostando que os danos à safra e a redução recente das reservas estatais podem causar escassez no mercado.

"No final de agosto e início de setembro, a área de produção do nordeste sofreu três tufões consecutivos", disse a autoridade do departamento de Mercado e Informação do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais.

No entanto, as produtividades na maior parte dessas áreas não foram afetadas, afirmou a autoridade, acrescentando que a produção total de milho deve aumentar neste ano.

À medida que mais milho das áreas produtoras entrar no mercado e importações de milho e de substitutos do cereal chegarem aos portos chineses, a apertada oferta do cereal terá um alívio, disse a autoridade, que espera que os preços continuem estáveis ou tenham leve queda no curto prazo.

Em uma tentativa de acalmar temores quanto à segurança alimentar no país, a autoridade disse também que os estoques de trigo e arroz da China ultrapassaram o equivalente a um ano de consumo e que o abastecimento está "totalmente garantido".

(Reportagem de Hallie Gu e Tom Daly)