Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.438,57
    +3.029,05 (+6,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

China diversifica uso de swabs em tolerância zero contra Covid

Bloomberg News
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A China vem aumentando esforços para neutralizar o coronavírus diante de novos surtos que desafiam sua estratégia já bastante rigorosa para lidar com a pandemia. Recentemente, outra arma foi adicionada ao arsenal que inclui restrições nas fronteiras, testes em massa e confinamento severo: swabs anais.

Apesar de não haver uma política nacional sobre o uso dessa técnica de exame, alguns moradores do norte do país — onde o surto agora chega a mais de 1.700 casos — foram submetidos sem cerimônia a testes com cotonetes no ânus. O procedimento envolve a inserção de um cotonete (ou swab) embebido em solução salina a uma profundidade de dois a três centímetros. A amostra então é testada para vestígios ativos do vírus.

Em Pequim, mais de 1.000 alunos e professores fizeram testes com swabs no ânus, garganta e nariz na semana passada, além de um teste de anticorpos separado, após um caso assintomático de Covid-19 ter sido detectado na escola, de acordo com as autoridades locais.

Na segunda-feira, os passageiros de um voo de Changchun, capital da província de Jilin, com destino a Pequim receberam ordens para desembarcar após autoridades descobrirem que uma pessoa vinda de uma área com alto risco de transmissão do vírus estava a bordo. Os passageiros foram levados para um hotel, onde profissionais de saúde aplicaram swabs nasais e anais, segundo um passageiro, que pediu para ser identificado apenas pelo sobrenome Wang.

Algumas pessoas que chegam a Pequim também estão sendo orientadas a realizar swabs anais. Uma mulher que veio de Hong Kong há algumas semanas contou à Bloomberg News que foi orientada a fazer o procedimento por conta própria enquanto estava em quarentena obrigatória em um hotel. A fonte, que pediu para não ser identificada, também precisou fazer três testes com swabs no nariz e garganta, um exame de sangue e seu quarto no hotel foi testado duas vezes.

Mais preciso

O uso da nova técnica de detecção é baseado em pesquisas que concluíram que traços do vírus encontrados no ânus podem durar mais do que no trato respiratório, explicou Li Tongzeng, vice-diretor do departamento de doenças respiratórias e infecciosas do Hospital You An em Pequim, durante entrevista à televisão estatal na semana passada.

Testes feitos com cotonetes anais podem ser mais precisos do que testes colhidos na garganta ou nariz, afirmou ele, acrescentando que o procedimento só estava sendo usado em grupos de risco, incluindo locais de quarentena.

Desde que conseguiu conter o surto original na cidade de Wuhan, na região central do país, a China estruturou uma campanha implacável para eliminar o coronavírus e impedir sua circulação na gigantesca população do país, muitas vezes lançando mão de recursos e poderes que não seriam viáveis ou admitidos em outras partes do mundo.

Enquanto EUA e Reino Unido ainda não conseguiram montar uma política adequada de testes contra a Covid-19, a China testa a população de cidades inteiras toda semana e milhões de unidades de comida congelada importada e contêineres em busca de vestígios do patógeno.

Tamanho zelo, motivado em parte pela preocupação das autoridades locais sobre as repercussões se suas cidades se tornarem a próxima Wuhan, foi capaz de conter surtos, mas o uso de técnicas como o swab anal é questionado por especialistas.

Cientistas descobriram que alguns pacientes com Covid-19 sofrem de infecção viral ativa e prolongada no aparelho digestivo mesmo que não manifestem sintomas gastrointestinais. Suas amostras de fezes costumam testar positivo para o coronavírus até uma semana depois de testes negativos em exames feitos no aparelho respiratório desses indivíduos, concluíram os pesquisadores da Universidade Chinesa de Hong Kong.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.