Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.273,28
    -58,66 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

China deve manter taxas de empréstimos inalteradas em meio a pressão sobre iuan

Notas de iuanes

XANGAI (Reuters) - A China deve manter as taxas de empréstimos inalteradas esta semana, mostrou uma pesquisa com participantes do mercado, com as autoridades adiando a flexibilização monetária no curto prazo para evitar mais pressão de depreciação sobre a moeda.

A taxa básica de empréstimos (LPR), que os bancos normalmente cobram de seus melhores clientes, é definida por 18 bancos comerciais designados que submetem a taxa proposta ao Banco do Povo da China (PBOC).

Vinte e um dos 28 entrevistados, ou 75% de todos os participantes na pesquisa instantânea da Reuters não previram nenhuma mudança para a LPR de um ano ou de cinco anos na decisão na terça-feira.

Entre os sete entrevistados restantes, seis esperam um corte de cinco pontos-base na LPR de cinco anos para estimular o setor imobiliário, enquanto outro entrevistado projeta cortes marginais em ambas as taxas.

A maioria dos empréstimos novos e pendentes na China baseia-se na LPR de um ano, que agora é de 3,65%. A taxa de cinco anos influencia o preço das hipotecas residenciais e agora está em 4,30%.

Ambas as taxas foram reduzidas em agosto para reanimar a demanda por crédito e apoiar a economia em declínio.

As expectativas de uma LPR inalterada vêm à medida que a divergência crescente entre as políticas monetárias da China e da maioria das outras grandes economias pesa sobre o iuan, limitando o escopo para mais flexibilização da política monetária.

A China, juntamente com o Japão, tem sido uma grande exceção em meio a uma série global de aumentos nas taxas de juros para controlar a inflação, com Pequim focada em reanimar uma economia afetada pelos choques da Covid-19.

O iuan perdeu cerca de 4% para o dólar desde meados de agosto e está a caminho de sua maior perda anual desde 1994, quando a China unificou as taxas de câmbio oficiais e de mercado. [CNY/]

(Reportagem de Wu Fang e Brenda Goh)