Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.804,14
    +590,70 (+1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

China deve lançar três missões ao polo sul da Lua até o fim da década

·2 min de leitura

A China aprovou as missões Chang'e 6, Chang'e 7 e Chang'e 8 para explorarem o polo sul da Lua ao longo desta década. Cada uma delas terá objetivos diferentes, sendo que o primeiro lançamento pode acontecer em 2024. A aprovação foi anunciada por Wu Yanhua, vice-chefe da Administração Espacial Nacional da China (ou “CNSA”, na sigla em inglês), durante uma entrevista.

A missão Chang’e 7 será a primeira das três a ser lançada, contando com um orbitador, um satélite de transmissão, um rover, um lander e também um pequeno veículo voador, que buscará evidências de gelo no polo sul lunar.

Cápsula com amostras lunares coletadas pela missão Chang'e 5 (Imagem: Reprodução/Our Space/ Wang Jiangbo)
Cápsula com amostras lunares coletadas pela missão Chang'e 5 (Imagem: Reprodução/Our Space/ Wang Jiangbo)

Para realizar sensoriamento remoto, identificar recursos e estudar o ambiente lunar, a Chang'e 7 terá instrumentos científicos como câmeras, radares, instrumentos de imageamento espectral de minérios, termômetro, um sismógrafo e, por fim, um dispositivo para analisar moléculas de água.

Depois, será a vez da Chang’e 6, missão pensada inicialmente como uma missão de "backup" caso a Chang’e 5 falhasse na coleta e envio de amostras lunares à Terra. Como tudo correu bem, a Chang’e 6 irá aproveitar o sucesso de sua antecessora e coletará as primeiras amostras de rocha do polo sul da Lua, também trazendo esse material para ser estudado em nosso planeta.

Já a Chang’e 8 ainda não tem uma data de lançamento estimada, mas é provável que ela fique somente para o fim da década. Esta será dedicada a testes de tecnologias para o uso de recursos locais do ambiente lunar, além da confecção de materiais através de impressões 3D. A ideia é que esta missão seja um passo para a China estabelecer a estação de pesquisa lunar International Lunar Research Station (ILRS) em parceria com a Rússia e, quem sabe, até mesmo outros países. O acordo para o projeto foi fechado neste ano.

Conceito da ILRS, que deverá se tornar um complexo de instalações para pesquisas e experimentos (Imagem: Reprodução/CNSA/CLEP)
Conceito da ILRS, que deverá se tornar um complexo de instalações para pesquisas e experimentos (Imagem: Reprodução/CNSA/CLEP)

De acordo com Wu, o objetivo principal destas três missões é permitir que a China construa o modelo básico de uma estação de pesquisa em colaboração com a Rússia, sob liderança chinesa. “A construção da estação poderá criar uma base sólida para explorarmos melhor o ambiente lunar e seus recursos, incluindo também o uso e desenvolvimento pacífico dos recursos lunares”, disse ele.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos