Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.840,41
    -522,70 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.274,72
    -439,88 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,11
    +0,45 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.799,90
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    62.048,00
    +2.679,54 (+4,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.493,73
    +74,36 (+5,24%)
     
  • S&P500

    4.596,42
    +44,74 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    35.730,48
    +239,79 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.755,00
    +167,75 (+1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5703
    +0,1456 (+2,27%)
     

China declara transações com criptomoedas ilegais e Bitcoin despenca

·2 minuto de leitura

A partir desta sexta-feira (24), as transações financeiras com criptomoedas são ilegais na China. A decisão é do Banco Popular da China, o banco central chinês. "As atividades comerciais vinculadas a moedas virtuais são atividades financeiras ilegais", diz a instituição em comunicado, com data de 15 de setembro.

A entidade afirma, ainda, que a prática coloca os ativos pessoais em grave perigo. Com a medida, bolsas estrangeiras ficam proibidas de fornecer serviços relacionados a criptomoedas a investidores do país pela internet. A ação afeta também a mineração de moedas digitais no país.

Imagem: Reprodução/Pixabay/Sulayman Sanyang
Imagem: Reprodução/Pixabay/Sulayman Sanyang

Em junho, as autoridades locais informaram que mais de mil indivíduos foram presos por lucrar com a compra de criptomoedas. Várias províncias do país já haviam proibido operações com moedas digitais desde o início do ano. A ofensiva está relacionada, ainda, com a criação do iuan digital, controlado pelo governo.

O Banco Popular da China destaca que quem não respeitar as normas será "investigado, de acordo com a lei". As atividades proibidas incluem:

  • comércio com criptomoedas;

  • venda de tokens;

  • transações com derivados de criptomoedas;

  • arrecadação de fundos ilegais.

Segundo a instituição, "o comércio e a especulação com Bitcoin e outras moedas virtuais se estenderam” nos últimos anos. A entidade reforça, ainda, que essas atividades alteram a ordem econômica e financeira, bem como aumentam a lavagem de dinheiro, a arrecadação de fundos ilegais, os esquemas de pirâmides e outras atividades criminosas e ilegais.

Cotação de criptomoedas em queda

Com o anúncio, o Bitcoin caiu mais de 7,5% e perdeu mais de R$ 3 mil em menos de uma hora. No início da tarde, a perda havia recuado um pouco: a moeda apresentava queda de 3,33% e era cotada a R$ 225.800, de acordo com o Mercado Bitcoin.

Imagem: Reprodução/Envato/FabrikaPhoto
Imagem: Reprodução/Envato/FabrikaPhoto

Outra moeda digital que teve flutuações foi a Ethereum: seu valor chegou a ficar mais de 10% abaixo do preço do início do dia. À tarde, ela já havia se recuperado um pouco e apresentava baixa de 8,52%, com preço de R$ 45,72, conforme a BM&FBovespa.

Com as novas regulamentações, as autoridades chinesas buscam formas de prevenir a especulação financeira e a lavagem de dinheiro. Em maio, as autoridades do país já tinham proibido bancos e firmas de pagamento de fornecer serviços relacionados a transações de criptomoeda.

Vale destacar que as criptomoedas não podem ser rastreadas pelos bancos centrais dos países. Para especialistas, a China teme a proliferação de investimentos ilícitos e a arrecadação de fundos de criptomoedas no país, que tem regras rígidas sobre a saída de capital.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos