Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.673,86
    -9,69 (-0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,24
    -0,03 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.855,70
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    33.880,62
    +433,38 (+1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,52
    +5,62 (+0,83%)
     
  • S&P500

    3.827,16
    -14,31 (-0,37%)
     
  • DOW JONES

    30.800,91
    -196,07 (-0,63%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.338,00
    -23,50 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6370
    -0,0150 (-0,23%)
     

China cria regras para combater leis "indevidas" sobre comércio exterior

Josh Horwitz
·1 minuto de leitura

Por Josh Horwitz

XANGAI (Reuters) - O Ministério do Comércio da China publicou neste sábado novas regras para combater leis "indevidas" e restrições impostas por países estrangeiros a empresas e cidadãos chineses, à medida que as relações econômicas entre Pequim e Washington se deterioram.

As regras sobre "aplicação extraterritorial indevida de legislação estrangeira" foram publicadas no site do departamento e estabelecem um "mecanismo de trabalho" para avaliar as implicações jurídicas de tais incidentes.

De acordo com o comunicado, uma pessoa ou organização chinesa que seja limitada pela legislação estrangeira de "se envolver em atividades econômicas normais, comerciais e afins com um terceiro Estado ou seus cidadãos", pode denunciá-lo ao departamento de comércio no prazo de 30 dias.

O departamento de comércio avaliará então um caso de potencial violação da lei internacional, impacto sobre a soberania e segurança nacional da China e impacto sobre os cidadãos chineses.

Quando um cidadão ou outra organização "sofre perdas significativas" pelo não cumprimento da legislação estrangeira, "departamentos governamentais relevantes podem fornecer o apoio necessário", diz a nota.

(Por Josh Horwitz)