Mercado abrirá em 2 h 56 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,26
    +1,15 (+1,31%)
     
  • OURO

    1.781,40
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    23.534,55
    -305,51 (-1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    559,67
    -13,14 (-2,29%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.512,98
    -2,77 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.514,25
    +21,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2552
    -0,0040 (-0,08%)
     

China concorda em aumentar cooperação financeira com UE

PEQUIM (Reuters) - A China chegou a um acordo com a União Europeia (UE) para promover ainda mais a abertura de mão dupla de seus respectivos setores financeiros e aumentar a cooperação regulatória no setor, em amplas negociações econômicas nesta terça-feira, segundo a mídia estatal chinesa.

Na nona rodada do diálogo comercial e econômico entre a UE e a China, o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, e o vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, tiveram discussões "pragmáticas", "cândidas" e "eficientes" sobre macroeconomia, cadeias industriais e de suprimentos, comércio e investimento, bem como acerca de cooperação financeira, informou a agência de notícias Xinhua.

"Os dois lados acreditam que a situação política e econômica global está passando por profundas mudanças", informou a Xinhua, sem dar mais detalhes.

A última rodada dessas negociações ocorreu há dois anos, também liderada por Liu e Dombrovskis, com foco em um histórico pacto de investimento. No fim de 2020, Bruxelas e Pequim concluíram o acordo após sete anos de negociações, mas não o ratificaram desde então, em meio a alegações de direitos, geopolítica e uma guerra na Europa.

A notícia da Xinhua não fez menção ao pacto de investimento.

As tensões se aprofundaram ainda mais com a recusa da China em condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia, com líderes da UE pedindo a Pequim em abril que não "feche os olhos" ao que a Rússia diz ter sido uma "operação militar especial".

(Por Ryan Woo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos