Mercado abrirá em 5 h 11 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,64
    +1,14 (+1,85%)
     
  • OURO

    1.756,00
    +27,20 (+1,57%)
     
  • BTC-USD

    46.151,09
    +1.398,49 (+3,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    921,84
    -11,30 (-1,21%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.442,85
    +462,64 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.115,00
    +204,00 (+1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7607
    +0,0024 (+0,04%)
     

China começa a fazer teste anal para identificar casos graves de COVID-19

Natalie Rosa
·1 minuto de leitura

Na cidade de Pequim, na China, o diagnóstico da COVID-19 começou a ser feito através de amostras retais, um novo tipo de exame que permite a detecção do vírus de forma mais precisa. De acordo com a televisão estatal CCTV, esses novos exames estariam reservados para casos de alto risco de infecção, mas já existem relatos de que algumas pessoas se surpreenderam por precisarem fazê-lo.

O teste anal consiste no uso de um cotonete, o já conhecido swab que é usado para coletar muco nasal. No caso, a haste é inserida no reto, com pouco mais de 1 cm de profundidade. Entre as pessoas que precisaram fazer o teste com o cotonete de forma anal estavam passageiros que desembarcaram em Pequim, residentes de centros de quarentena, além de mais de mil alunos de escolas e professores que possam ter se exposto ao coronavírus.

<em>Imagem: Reprodução/Ewa Urban/Pixabay </em>
Imagem: Reprodução/Ewa Urban/Pixabay

Segundo Li Tongzeng, médico diretor do departamento de doenças respiratórias e infecciosas do hospital You An, em Pequim, os swabs retais trazem mais precisão na hora de diagnosticar a presença do SARS-CoV-2 no organismo do que os nasais. A justificativa, de acordo com estudos, é que o vírus permanece por mais tempo no ânus ou em excrementos do que no trato respiratório, sendo ideal para diagnosticar a doença em sua forma leve ou assintomática.

A nova forma de diagnóstico da COVID-19 surge junto a outras medidas de prevenção da doença no país, que vem presenciando surtos em diferentes localidades. A China vem ainda fazendo lockdown em determinadas cidades e províncias, e colocando pessoas que estão desembarcando em aeroportos em períodos de quarentena.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: