Mercado abrirá em 2 h 26 min

China coloca duas cidades em quarentena e suspende festividades

Por Sébastien RICCI
1 / 3
Fábrica chinesa de máscaras de proteção em Handan, em 22 de janeiro de 2020

A China está tomando grandes medidas contra o vírus que começou a se espalhar pelo resto do mundo, colocando em quarentena a metrópole de Wuhan e uma cidade vizinha, além de cancelar as festividades do Ano Novo chinês em Pequim.

Desde as 10h, nenhum trem ou avião deve, em princípio, deixar Wuhan, metrópole de 11 milhões de habitantes situada no centro da China. Os pedágios nas saídas da cidade estão fechados.

Esta metrópole às margens do rio Yangtzé é o epicentro da epidemia que, desde dezembro, infectou mais de 570 pessoas e deixou 17 mortos, segundo um último relatório divulgado na quarta-feira à noite (22). Todas as vítimas fatais foram registradas em Wuhan, ou em sua região.

"Os moradores não devem deixar Wuhan sem uma razão específica", anunciou o organismo responsável pelo combate à epidemia no nível municipal.

Essa decisão foi tomada para "impedir efetivamente a propagação do vírus", disse, enquanto a China se prepara para o feriado de Ano Novo que começa na sexta-feira.

Tendo isso em vista, a cidade de Pequim anunciou o cancelamento das festividades previstas por ocasião do feriado. Anualmente, centenas de milhares de pessoas se reúnem em parques da cidade para os festivais.

Cidade 70 quilômetros a leste de Wuahn com uma população de 7,5 milhões de habitantes, Huanggang também foi colocada em quarentena. O tráfego ferroviário será interrompido até novo aviso a partir do final do dia.

Com 1,1 milhão de habitantes, a vizinha Ezhou já fechou sua estação.

Em Wuhan, os habitantes não puderam planejar uma possível partida, uma vez que a decisão foi anunciada durante a noite.

- Táxis triplicam preços -

Ainda é possível chegar à cidade de trem, ou de avião, mesmo que muitos voos tenham sido cancelados.

Mas os trens e aviões com destino a Wuhan estão quase vazios, um cenário estranho na véspera do feriado de Ano Novo.

No centro de Wuhan, o transporte público foi interrompido, e as festividades do Ano Novo, canceladas.

Os táxis triplicaram seus preços. "É muito perigoso sair no momento, mas precisamos de dinheiro", disse um motorista à AFP.

A prefeitura também impôs o uso de máscara respiratória, que a maioria dos habitantes começou a usar desde o início da semana.

O combate efetivo começou quando um cientista chinês admitiu que o vírus poderia ser transmitido de humano para humano, e não apenas de animal para humano.

Na segunda-feira, o presidente Xi Jinping pediu um combate "resoluto" da epidemia, que até então não havia chegado às manchetes dos jornais.

- Medidas fortes -

Em Genebra, o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, saudou na quarta-feira as medidas "muito, muito fortes" tomadas pela China, considerando que elas "reduziriam" os riscos de propagação.

A OMS reuniu ontem seu comitê de emergência para decidir se o novo vírus constitui uma "emergência de saúde pública de interesse internacional".

Como os especialistas não chegaram a um acordo sobre a questão, a OMS tem nova reunião nesta quinta-feira.

Até o momento, a OMS usou o termo "emergência internacional" apenas para casos raros de epidemias que exigem uma resposta global vigorosa, incluindo a gripe suína H1N1, em 2009; o vírus zika, em 2016; e a febre ebola, que devastou parte da África Ocidental de 2014 a 2016, assim como a República Democrática do Congo, desde 2018.

Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado observou "sinais encorajadores de que o governo chinês entendeu a gravidade do problema".

Da mesma família da SARS (Síndrome Respiratória Aguda Severa), o vírus se espalhou para vários países da Ásia e até para os Estados Unidos, onde alguns casos foram registrados.

Os controles de temperatura corporal se espalharam por vários aeroportos da Ásia, do Pacífico e também no Reino Unido, Nigéria e Itália.

Em Dubai, todos os viajantes procedentes da China serão submetidos a análise por câmeras térmicas.

- Comércio ilegal -

O vírus foi detectado em dezembro em um mercado de frutos do mar em Wuhan. Sua origem exata ainda não é conhecida, mas seu período de incubação é em torno de 14 dias.

Vendas ilegais de animais silvestres estavam ocorrendo no mercado, reconheceu o Centro Nacional de Controle e Prevenção de Doenças, sem poder dizer com certeza se esta é a origem da epidemia.

A cepa é um novo tipo de coronavírus, uma família com um grande número de vírus. Eles podem causar doenças leves nos seres humanos (como um resfriado), mas também outras mais graves, como a SRAS.

Na época da SARS, em 2002-2003, a OMS criticou fortemente Pequim por ter demorado a avisar sobre a doença, tentado ocultar a extensão da epidemia. A SARS matou 774 pessoas em todo mundo, sendo 648 na China, incluindo Hong Kong.