Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.775,70
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    40.633,93
    -2.351,38 (-5,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.988,50
    -35,50 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1778
    -0,0013 (-0,02%)
     

China busca negociar com EUA sobre IPOs no exterior, diz agência

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A CSRC (Comissão Reguladora de Valores da China, órgão semelhante à CVM no Brasil) buscará negociações com sua contraparte americana para encontrar uma resolução adequada para os IPOs (sigla em inglês para oferta pública de ações) de empresas chinesas no exterior, afirmou a Bloomberg.

A decisão da CVM chinesa veio depois que a SEC (CVM americana) suspendeu, na última sexta-feira (30), o processamento de registros de IPOs e outras vendas de títulos por empresas chinesas nos Estados Unidos.

Segundo a Bloomberg, a CSRC teria pedido respeito mútuo e colaboração à SEC neste sentido.

A medida da CVM americana veio como forma de avaliar o risco de uma nova repressão regulatória por Pequim para os investidores dos EUA. O presidente da SEC, Gary Gensler, teria inclusive pedido à sua equipe que buscasse divulgações adicionais de empresas chinesas antes de assinar suas declarações de registro para IPO.

Recentemente os reguladores chineses publicaram uma norma dizendo que as escolas privadas serão convertidas e não poderão mais objetivar lucro. Além disso, também ordenaram que companhias ligadas ao setor de tecnologia corrigissem supostas práticas anticompetitivas -medidas que aumentariam muito a supervisão de empresas privadas.

O governo chinês havia proposto novas regras, por exemplo, exigindo que praticamente todas as empresas que desejam se listar em um país estrangeiro passem por uma revisão de segurança cibernética.

Segundo a Bloomberg, a repressão chinesa às listagens no exterior acontece depois de a empresa Didi Global -plataforma de transporte por aplicativo, dona da 99- ter avançado com seu IPO nos EUA, apesar das reservas de Pequim sobre a segurança de dados da companhia.

Dias depois da estreia de Didi, os reguladores da China anunciaram uma investigação sobre a empresa e removeram seus aplicativos das lojas de aplicativos do país. O movimento provocou uma venda em massa das ações da companhia na Bolsa, o que causou grandes perdas aos investidores, que teriam levado uma série de pedidos de que a SEC aumentasse a supervisão dos IPOs chineses.

Segundo a CSRC, as investigações sobre certas indústrias teriam o objetivo de coordenar o desenvolvimento e segurança no país. O órgão afirmou que manterá uma comunicação próxima com departamentos relevantes para promover maior transparência e previsibilidade de políticas.

O regulador de valores mobiliários chinês também disse que pretende abrir a indústria financeira do país e afirmou que sua perspectiva para o mercado de capitais daquele país é de que seja previsível, sustentável e saudável.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos