Mercado fechará em 2 h 22 min
  • BOVESPA

    114.410,84
    -1.256,94 (-1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.397,15
    +245,77 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.773,60
    -24,30 (-1,35%)
     
  • BTC-USD

    49.880,56
    +118,66 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,06
    +3,39 (+0,34%)
     
  • S&P500

    3.855,80
    -69,63 (-1,77%)
     
  • DOW JONES

    31.581,69
    -380,17 (-1,19%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.953,25
    -348,75 (-2,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7316
    +0,1611 (+2,45%)
     

China autoriza exportação para o Brasil de insumos para vacinas, diz Bolsonaro

·2 minuto de leitura
Uma enfermeira se prepara para inocular sua colega

A China autorizou a exportação de insumos para a fabricação da vacina CoronaVac no Brasil, anunciou nesta segunda-feira (25) o presidente Jair Bolsonaro. Eles são necessários para evitar a paralisação da campanha de imunização no país em meio a uma violenta segunda onda da pandemia.

“A embaixada da China nos informou, pela manhã, que a exportação dos 5.400 litros de insumos para a vacina CoronaVac foi aprovada e já estão em área aeroportuária para pronto envio ao Brasil, chegando nos próximos dias”, afirmou o presidente nas redes sociais.

“Agradeço a sensibilidade do governo chinês”, acrescentou Bolsonaro, que em diversas ocasiões criticou a vacina promovida pelo governador de São Paulo, João Doria, seu adversário político.

A nova carga de insumos permitirá a produção de cerca de 8,5 milhões de doses da CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac em associação com o Instituto Butantan, informou este último à AFP.

Em um país com 211,8 milhões de habitantes, a campanha de vacinação começou na última segunda-feira com apenas 10,8 milhões de doses do CoronaVac, às quais foram adicionadas 2 milhões de doses da britânica AstraZeneca que chegaram na sexta-feira da Índia. Ambas as vacinas requerem uma inoculação dupla.

A incerteza sobre a chegada dos insumos da China, necessários tanto para as vacinas do CoronaVac quanto da AstraZeneca, levantou preocupações sobre uma possível desaceleração da campanha de vacinação, em um momento em que a segunda onda ceifa mais de mil vidas por dia no Brasil.

Desde o início da pandemia, o Brasil registrou mais de 217.000 mortes por covid-19, um balanço superado apenas pelos Estados Unidos.

Bolsonaro indicou, ainda, que a liberação da matéria-prima para a vacina AstraZeneca/Oxford, desenvolvida em parceria com a Fundação Fiocruz, está sendo "acelerada".

Muitos analistas atribuem os atrasos aos constantes confrontos de Bolsonaro com a China, devido ao alinhamento do presidente com o ex-mandatário dos Estados Unidos, Donald Trump.

Nos últimos dias, os esforços, tanto oficiais como de personalidades em desacordo com Bolsonaro, multiplicaram-se perante a embaixada da China.

Pouco após o anúncio, o governador de São Paulo criticou pelo Twitter que Bolsonaro atribuísse a si o sucesso das negociações com a China.

"Não é verdade o que disse o Presidente Bolsonaro em suas redes, de que a importação de insumos da China foi uma realização do Gov. Federal. Todo o processo de negociação com a China para liberação de insumos para a vacina do Butantan foi realizado pelo Instituto e pelo Gov. de SP", escreveu.

O embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, retuitou a mensagem de Bolsonaro e escreveu:

"A China está junto com o Brasil na luta contra a pandemia e continuará a ajudar o Brasil neste combate, dentro do seu alcance. A união e a solidariedade são os caminhos corretos para vencer a pandemia".

val/js/am/ic/mvv