Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.227,74
    -128,54 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,84
    -30,82 (-3,10%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7354
    +0,1649 (+2,51%)
     

China atrasa em quase dois meses meta de vacinar 50 milhões

Bloomberg News
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A China teve que adiar a meta de vacinar 50 milhões de pessoas contra a Covid-19 em quase dois meses por restrições de oferta e hesitação da população em relação às vacinas, segundo pessoas a par do assunto.

O novo plano, que foi comunicado recentemente às autoridades de saúde, alterou o cronograma para atingir 50 milhões de doses aplicadas até o final de março, disseram as pessoas, que pediram anonimato. A Bloomberg e outros meios de comunicação haviam informado em dezembro que a China pretendia atingir essa meta até o feriado do Ano Novo Lunar, que começa nesta quinta-feira.

Pessoas em grupos-chave, como profissionais de saúde da linha de frente, continuarão a ser foco da campanha de imunização, que registrava pouco mais de 31 milhões de doses administradas até 3 de fevereiro. A vacinação será ampliada para a população em geral em abril, segundo as fontes. Um representante da Comissão Nacional de Saúde da China disse que o país não deve atingir a meta de 50 milhões de pessoas vacinadas antes do feriado do Ano Novo, mas que “o processo de vacinação está ocorrendo conforme planejado“.

Uma razão para o ritmo aparentemente mais lento é a preocupação de que os chineses desconfiem das vacinas contra a Covid-19, incluindo as desenvolvidas localmente, devido à cobertura negativa da mídia estatal sobre os efeitos colaterais e eventos adversos associados aos imunizantes do Ocidente, disse uma das pessoas.

Autoridades do governo também estão preocupadas com o fato de não haver oferta suficiente de vacinas desenvolvidas por empresas nacionais, disse a fonte. Restrições de capacidade também são um problema com vacinas desenvolvidas por empresas americanas, europeias e russas.

Embora a China tenha praticamente eliminado o coronavírus dentro de suas próprias fronteiras por meio de testes de milhões de pessoas e imposição de rígidos lockdowns e quarentenas, a campanha de vacinação do país está atrasada. Para cada 100 pessoas, a China distribuiu pouco mais de duas doses, em comparação com quase quatro na União Europeia, 13 nos Estados Unidos e mais de 60 em Israel, segundo o rastreador de vacinas da Bloomberg.

Com o ritmo relativamente lento, a China levará cerca de 5,5 anos na velocidade atual de vacinação para cobrir 75% da população com uma vacina de duas doses, contra 10 meses nos EUA e seis meses no Reino Unido, de acordo com o rastreador. Isso traz a perspectiva de que a China será mais lenta na reabertura e normalização das interações com outros países, mantendo as fronteiras fechadas para proteger a população.

Em entrevistas com um grupo representativo de chineses, a Bloomberg identificou que há hesitação generalizada em receber vacinas contra a Covid-19, por motivos que vão desde a preocupação com a segurança e o nível de proteção prometido pelos imunizantes locais até a falta de urgência, com surtos do inverno limitados a partes do norte do país.

Isso poderia representar um problema para países e empresas que dependem da China - com seus mais de 1 milhão de estudantes estrangeiros e maior mercado consumidor do mundo - para reabrir e para as próprias perspectivas de crescimento do país, apesar da resiliência econômica mostrada até agora.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.