Mercado fechará em 3 h 46 min
  • BOVESPA

    129.481,00
    +713,55 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.262,18
    +132,30 (+0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,71
    +0,86 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.787,30
    +9,90 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    33.698,86
    +1.471,62 (+4,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,84
    +3,64 (+0,45%)
     
  • S&P500

    4.249,73
    +3,29 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.936,02
    -9,56 (-0,03%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.282,75
    +24,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9046
    -0,0152 (-0,26%)
     

China anuncia permissão de três filhos por casal

·3 minuto de leitura
China anuncia permissão de três filhos por casal
China anuncia permissão de três filhos por casal

Por mais de 30 anos, a China adotou a “política do filho único”, que consistia em uma lei segundo a qual era proibido, a qualquer casal, ter mais de um filho. A determinação tinha o objetivo de reduzir o crescimento populacional e, desse modo, facilitar o acesso da população a um sistema de saúde e educação de qualidade. Em 2016, essa medida foi abolida, e os casais chineses passaram a ser autorizados a ter dois filhos. Nesta segunda-feira (31), o governo chinês anunciou que vai ampliar os limites da natalidade, passando a permitir três filhos por núcleo familiar.

China, país mais populoso do mundo revê políticas de controle familiar. Imagem: Arthimedes – Shutterstock
China, país mais populoso do mundo revê políticas de controle familiar. Imagem: Arthimedes – Shutterstock

Visando combater o rápido envelhecimento da população, a mudança de política será acompanhada por “medidas de apoio, que irão melhorar a estrutura populacional do país, cumprindo a estratégia de lidar ativamente com o envelhecimento da população e manter a vantagem na dotação de recursos humanos”, de acordo com a Xinhua, a agência de notícias oficial chinesa.

A decisão é em decorrência dos resultados dos últimos censos, que apontam uma drástica queda na taxa de natalidade no país mais populoso do mundo. Consideram-se como maiores preocupações as consequências do envelhecimento da força de trabalho e a estagnação econômica no país.

Leia mais:

Segundo os últimos recenseamentos, a população em idade reprodutiva diminui muito rapidamente, enquanto a faixa etária dos 65 anos tem um aumento exponencialmente acelerado. Estatísticas indicam que o número de pessoas em idade reprodutiva pode despencar para a metade em 2050, elevando a “taxa de dependência”, ou seja, o número dos que dependem de cada um trabalhar para gerar receita a fim de pagar as pensões, os impostos de saúde e outros serviços públicos.

Mulheres independentes e alto custo de vida reduzem nascimentos anuais na China

Apesar de o governo encorajar os casais a terem filhos, os nascimentos anuais no país alcançaram uma baixa recorde de 12 milhões em 2020, de acordo com o divulgado pelo Escritório Nacional de Estatísticas da China em abril. Isso se concretiza mais à medida que o custo de vida aumenta, as taxas de casamento caem, e as mulheres passam a, cada vez mais, fazerem seu próprio planejamento familiar independente.

A taxa de fertilidade da China é de 1,3, “o que fica abaixo do nível necessário para manter uma população estável”, revelou a entidade de estatísticas.

Outro grande problema gerado pelos longos anos de política do filho único é o equilíbrio de gênero. A preferência social tradicional por meninos levou a uma geração de abortos seletivos de sexo e ao abandono de meninas.

Especialistas acreditam que pode ser tarde demais para reverter a tendência de queda de natalidade. “A maioria das famílias tem preferência por poucos filhos agora – semelhante ao resto do Nordeste da Ásia“, afirma Lauren Johnston, pesquisadora de economia e demografia da China da Faculdade de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres.

Uma pesquisa do Zhaopin.com, um dos maiores websites de recrutamento on-line do país, revelou que cerca de 40% das mulheres que trabalham fora de casa e não têm filhos não querem ter nenhum. Além disso, em torno de 66% daquelas que têm somente um filho não querem ter um segundo.

Johnston não aposta que a nova política levará a um volume significativo de nascimentos de terceiros filhos. “Para uma geração mais jovem de mulheres, vivendo na normalidade hipercompetitiva das cidades da China moderna, onde bom trabalho e acomodação são difíceis de encontrar, o relaxamento pode ser pouco atrativo”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos