Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,53
    +0,55 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.749,60
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    43.380,72
    +572,81 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.304,75
    -14,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2559
    +0,0309 (+0,50%)
     

China alcança mais de 1 bilhão de usuários de Internet

·1 minuto de leitura
Nas ruas de Pequim, moradores escaneiam seu código QR para entrar em um bairro da cidade, em 13 de outubro de 2020 (AFP/NICOLAS ASFOURI)

A China superou pela primeira vez a marca de 1 bilhão de usuários de Internet, já que o uso de smartphones continua se desenvolvendo rapidamente com a digitalização dos serviços e o aumento da infraestrutura - informa um estudo divulgado nesta sexta-feira (27).

Um grande número de tarefas pode ser realizado remotamente no país, como pagamento de contas de gás e luz, entrega de comida e remédios, compras online e consultas médicas, entre muitas outras.

A China ganhou mais 21,75 milhões de usuários de Internet em seis meses, o que corresponde ao dobro da população da Bélgica, de acordo com um relatório do Centro de Informações sobre Internet da China (CNNIC), um órgão oficial.

O país tem hoje 1,011 bilhão de pessoas conectadas, segundo o último balanço, feito em junho.

O CNNIC explica este aumento pela melhora das infraestruturas (antenas de retransmissão, redes), pelo surgimento de novos serviços online (serviço público, educação), ou ainda por uma melhor logística nas pequenas cidades e no campo, o que possibilita o desenvolvimento do comércio online.

A taxa de cobertura nacional de Internet é de 71,6%, e de 59,2%, nas áreas rurais.

A China monitora de perto sua internet para eliminar qualquer conteúdo considerado sensível, como os chamados para derrubar o governo, as críticas abertamente frontais às políticas nacionais, ou mesmo pornografia. Também exige que os sites e as redes sociais tenham seus próprios censores para realizar essa tarefa.

O controle foi reforçado nos últimos anos sob a liderança do presidente Xi Jinping, que defende um fortalecimento crescente da ideologia socialista e da moralidade na sociedade.

Vários sites estrangeiros estão bloqueados na China. Entre eles, Facebook, Google, Instagram, WhatsApp, Gmail, YouTube e até vários veículos de comunicação.

ehl/sbr/spi/msr/zm/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos