Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.098,89
    -3.044,32 (-7,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

China acusa EUA de 'grave ameaça' a estação espacial por risco de colisão com satélites de Musk

·3 min de leitura
(Arquivo) O foguete Falcon 9 da SpaceX, com o satélite Starlink a bordo, se prepara para decolar em Cabo Canaveral, na Flórida, EUA, em 29 de janeiro de 2020 (AFP/Handout)

A China acusou nesta terça-feira (28) os Estados Unidos de "ameaça grave" para a segurança de seus astronautas, depois de afirmar que dois satélites do bilionário Elon Musk estiveram próximos de colidir com a estação espacial de Pequim.

A estação espacial chinesa Tiangong precisou realizar "controles preventivos para evitar colisões" durante dois "encontros próximos" com os satélites Starlink da SpaceX, em julho e em outubro deste ano, segundo um documento submetido por Pequim este mês à agência espacial da ONU.

Em ambas as ocasiões, os satélites entraram em órbitas que obrigaram os operadores da estação espacial a mudar de curso, diz o documento.

A SpaceX, que é sediada na Califórnia, não fez comentários até o momento sobre essa informação.

Nas redes sociais, os chineses criticaram Musk e suas empresas pelos incidentes. Uma proposta de boicote recebeu 87 milhões de visualizações até a manhã de terça-feira.

Os carros elétricos da Tesla, empresa de Musk, têm grande aceitação no país asiático.

"Que ironia que os chineses comprem [carros] Tesla, aportando grandes somas de dinheiro para que Musk possa lançar o Starlink e depois [quase] colidir com a estação espacial da China", comentou um usuário.

Segundo o governo chinês, que evitou atacar Musk diretamente, os Estados Unidos não cumpriram com suas "obrigações internacionais" no espaço.

"Isto constitui uma ameaça grave para a vida e a segurança dos astronautas" chineses, frisou à imprensa o porta-voz da diplomacia chinesa, Zhao Lijian.

No documento entregue à ONU, a China indicou, em referência ao incidente de outubro, que "a estratégia de manobra não era conhecida e os erros orbitais são difíceis de avaliar". Também destacou que atuou para "garantir a segurança e vidas dos astronautas".

Em entrevista aos jornalistas, o porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Ned Price, se negou a responder concretamente às acusações chinesas.

"Incentivamos que todos os países com um programa espacial sejam atores responsáveis, que evitem atos que possam colocar em risco astronautas, cosmonautas e outras pessoas que estejam orbitando a Terra", afirmou.

Tiangong, que significa "palácio celestial", é a mais recente conquista no esforço da China para virar uma potência espacial, depois de pousar um robô em Marte e enviar sondas à Lua.

O módulo central da estação entrou em órbita há alguns meses e deve estar plenamente operacional em 2022. Duas tripulações, cada uma com três 'taikonautas' - os astronautas chineses -, se sucederam a bordo da plataforma desde junho.

As manobras evasivas têm se tornado mais frequentes, conforme mais objetos saturam a órbita próxima da Terra e forçam de ajustes de trajetória para evitar acidentes, disse Jonathan McDowell, especialista do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian.

"Realmente notamos um aumento no número de passagens próximas desde que o Starlink começou a ser enviado", comentou McDowell à AFP, que acrescentou que uma colisão "destruiria completamente" a estação espacial e mataria todos a bordo.

Na China, Musk é bastante admirado. Porém, a reputação da Tesla, que vende dezenas de milhares de carros por mês no país, caiu após uma série de acidentes, escândalos e preocupações com o armazenamento de dados.

mjw/rox/oho/mas-mar/jvb/mr/fp/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos