Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,34
    -0,37 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.629,30
    -4,10 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    19.109,09
    +330,25 (+1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.315,50
    -61,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1796
    +0,0820 (+1,61%)
     

China acusa EUA de atacar universidade para roubar dados

O governo da China apontou o dedo diretamente aos Estados Unidos, acusando o país de ser o responsável por uma onda de ataques contra a Northwestern Polytechnical University. De acordo com o relatório dos serviços de inteligência do país, a instituição que trabalha em projetos militares, aeroespaciais, aeronáuticos e marítimos teria sido atingida por mais de 1.000 ofensivas ao longo das últimas semanas, resultando no roubo de credenciais de acesso e dados confidenciais.

Os chineses apontam a responsabilidade direta da NSA (Agência Nacional de Segurança, na sigla em inglês). O órgão teria usado 41 tipos diferentes de armas cibernéticas para realizar os golpes que envolveram tanto a retirada de sistemas do ar quanto a abertura de portas de entrada e o vazamento de informações, em uma ofensiva que teria fins políticos e militares.

Um dos malwares citados no relatório publicado pelo Centro Nacional de Resposta Emergencial a Vírus de Computadores (CVERC, na sigla em inglês) é o Suctionchar, que seria responsável pelo roubo de contas de acesso remoto aos sistemas da universidade. Outros vírus citados incluem o Bvp47, que seria o responsável por fixas backdoors, e uma combinação de ameaças zero-day conhecidas há anos para intrusão nas plataformas internas da organização.

A atribuição ao governo dos EUA vem, principalmente, pela utilização da segunda ferramenta cibercriminosa, que teria aparecido em pelo menos 64 ataques contra empresas e instituições oficiais do governo chinês ao longo dos últimos anos. Golpes em outros 45 países também teriam sido registrados, também com motivação baseada na espionagem industrial.

Documento contabiliza a participação de 13 pessoas nas acusações da China contra os EUA

O relatório publicado pela CVERC vai além e inclui detalhes técnicos das ameaças usadas e, também, vetores de entrada, servindo como um possível alerta para outras instituições do país. O texto chega a citar a participação de 13 pessoas ligadas ao governo americano e à NSA na onda de ataques.

A porta-voz do ministério das relações exteriores da China, Mao Ning, criticou a administração dos Estados Unidos e disse que, como a maior superpotência em ataques digitais, ela deveria parar de usar esse poder para atingir inimigos políticos. Em vez disso, a sugestão é o uso dessa capacidade para construir uma comunidade global de segurança e a participação em iniciativas de governança da rede.

Entretanto, a sinalização é de que os EUA representam, hoje, um “perigo sério” à segurança dos cidadãos e à soberania da China. O governo americano não se pronunciou sobre o assunto, deixando também de confirmar ou negar sua participação nos ataques.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: