Mercado abrirá em 9 h 18 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,36
    +0,38 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.848,10
    +7,90 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    36.026,93
    -208,30 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    715,66
    +0,46 (+0,06%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.940,97
    +298,69 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.517,76
    -115,70 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    13.045,00
    +59,50 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5065
    +0,0079 (+0,12%)
     

Chilena SQM busca novos projetos de lítio em outros países

Valentina Fuentes e Eduardo Thomson
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Sociedad Quimica y Minera de Chile, segunda maior produtora mundial de lítio, busca oportunidades de desenvolver novos projetos em diferentes países para atender à demanda que pode triplicar até 2025.

Parte do financiamento para investimentos nos próximos quatro anos virá da venda de US$ 1,1 bilhão em novas ações, em vez de dinheiro ou dívida, disse o diretor financeiro da SQM, Gerardo Illanes, em entrevista ao programa de rádio Pauta Bloomberg. “Um aumento de capital nos permite continuar a ter flexibilidade para executar novos projetos quando os encontramos.”

Os acionistas votarão sobre o aumento de capital em 22 de janeiro. A empresa de Santiago já está em negociações com seu maior investidor, a chinesa Tianqi Lithium, e acionistas minoritários, que incluem fundos de pensão chilenos. Os recursos financiariam a expansão da produção doméstica de lítio e possivelmente avançariam o projeto Mount Holland na Austrália.

“A Austrália é muito atraente para os depósitos disponíveis lá, mas também temos procurado outros lugares e estamos muito abertos para avaliar outras opções”, disse Illanes.

A maior produção é necessária para atender à demanda crescente da indústria de veículos elétricos, disse Illanes. A produção total de lítio pode chegar a 63 mil toneladas em 2020, um aumento de 40% em relação ao ano anterior. Depois de dar um salto rumo a 2025, a demanda pode dobrar até 2030, disse Illanes.

Os preços do lítio podem subir junto com a demanda, sustentando a expansão de projetos, disse o diretor financeiro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.