Mercado abrirá em 6 h 36 min

Chile vai de economia mais quente do mundo a país sem dinheiro

(Bloomberg) -- Mais ou menos nessa época do ano passado, quando a economia chilena estava mais quente do que talvez qualquer outra no mundo, Norberto Araya ficava impressionado com como as pessoas estavam gastando.

Vendedor de uma loja de óculos no centro de Santiago, Araya estava acostumado a ver clientes sem dinheiro trazerem armações velhas para reparos. De repente, elas começaram a chegar com maços de dinheiro e sair com óculos novos. Suas vendas subiram 40%.

A alguns quarteirões na mesma rua, na House Tattoo Rock, o telefone tocava sem parar. Tantas pessoas queriam tatuagens, diz João Vicentelli, que ele ficou com a agenda completamente cheia por dois meses.

Agora, Vicentelli às vezes passa um dia inteiro sem um único cliente. Idem para Araya: “Está ruim”, diz ele.

Talvez esses altos e baixos não sejam totalmente inesperados. Mas o que espanta muitos no Chile, um país que há muito se orgulha de ter a economia mais estável de toda a América Latina, é quão repentina foi a virada para a estagflação. Aconteceu muito mais rápido do que no resto do mundo.

A inflação disparou para 13%. Apenas a Argentina e a Venezuela, assoladas por crises perenes, têm taxas mais altas na região. O preço de muitos bens está agora fora do alcance dos chilenos comuns.

Ao mesmo tempo, as vendas no varejo na região metropolitana de Santiago caíram 18% em julho. Apenas alguns meses antes, elas ainda subiam a uma taxa de dois dígitos. O consenso agora é que a economia entrará em recessão no segundo semestre do ano. Cresceu 11,7% em 2021.

“Isso é uma espécie de ressaca da farra de gastos que tivemos”, disse Felipe Alarcon, economista-chefe da EuroAmerica, uma empresa financeira com sede em Santiago. Por mais dolorosa que seja uma recessão, disse ele, é quase desejável agora “trazer os gastos de volta a níveis sustentáveis”.

E tudo isso acontece exatamente no primeiro ano de Gabriel Boric, o presidente mais esquerdista do Chile desde Salvador Allende, o que deixa a classe dominante e os executivos de Santiago mais nervosos. O fato de que um referendo será realizado neste fim de semana sobre uma proposta de revisão da Constituição também não ajuda a acalmar os ânimos.

Os investidores têm tirado tanto dinheiro do país, apesar das taxas de juros que estão em uma máxima de 24 anos, que o banco central teve que injetar bilhões de dólares no mercado de câmbio para estabilizar o peso. Na segunda-feira, o Fundo Monetário Internacional aprovou uma linha de crédito de US$ 18,5 bilhões para ajudar o Chile a enfrentar um aumento nos riscos globais.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.